Docentes da Pós-Graduação em Comunicação da Região Sul cobram volta do MinCTI

Docentes da Pós-Graduação em Comunicação da Região Sul cobram volta do MinCTI

317

Fica MCTIRepresentantes dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação da Região Sul do Brasil, reunidos em Ponta Grossa/PR, no dia 15/06/2016, exigem a volta do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), fundido pelo governo interino, Michel Temer, ao Ministério das Comunicações.

Os pesquisadores participantes do Fórum Sul de Pós-Com entendem que é injustificável a fusão de um ministério que incentiva a pesquisa, a inovação tecnológica e a investigação científica ficar refém de uma pasta Ministerial, que desde o regime militar mantém os serviços de concessão de mídia atrelados aos interesses políticos, econômicos, religiosos ou eleitoreiros. Pressionado pelos empresários de telefonia e mídia de massa (rádio e TV), a pasta de Ciência e Tecnologia pode desaparecer em poucos meses, conforme denunciam os pesquisadores da comunicação da Região Sul.

Da mesma forma, os professores alertam que o fim do MCTI é um retrocesso político, pois compromete uma trajetória de fortalecimento da pesquisa científica, que demanda estrutura, recursos humanos e investimentos. E não resta dúvida de que a “fusão”, traduzido em desmonte, da C&T em Comunicações compromete também a política nacional de Pós-Graduação, que tem metas para as próximas décadas.

E, por fim, os pesquisadores denunciam que a decisão do governo provisório é uma clara demonstração da submissão científica, que deixa o Pais refém de multinacionais, reproduzindo uma relação de subserviência tecnológica, típica de governos servis ao capitalismo internacional. Tal decisão impõe ao povo e ao futuro do Brasil uma condução de dominado e distante da autonomia política e intelectual dos principais países do mundo.

Os professores definiram, também, o envio do documento aos parlamentares da Região, bem como divulgação da campanha nacional com a inclusão da imagem hashtag ‪#‎ficaMCTI‬ ou ‪#‎voltaMCTI‬ na plataforma Lattes (do CNPq). A campanha foi lançada pela SBPC com apoio de docentes de inúmeras universidades do Pais. Foi indicado, também, a assinatura da petição no Avaaz, que cobra o imediato retorno do ministério: https://goo.gl/lqixz0 A Associação dos Docentes da UFRJ (ADUFRJ) também criou um website (http://ficamcti.redelivre.org.br/) com instruções sobre como os pesquisadores podem mudar suas fotos no Lattes para divulgar a campanha pela volta do MCTI.

Exigir a volta do MCTI é um compromisso dos pesquisadores, docentes da Pós-graduação, professores e estudantes que defendem a necessidade de qualificação profissional e científica com autonomia de investigação. ‪#‎FicaMincti‬ ‪#‎ForaTemer‬