Negociação preserva empregos e evita demissões em massa na Abril

Negociação preserva empregos e evita demissões em massa na Abril

245
A editora Abril anunciou, em 11 de julho, a transferência de dez revistas para a editora Caras, com a qual mantém uma parceria. Com isso, cerca de 80 jornalistas serão transferidos para a nova empresa. A preservação dos empregos envolveu uma negociação inédita da empresa com o Sindicato dos Jornalistas de São Paulo. Acompanhe, também, informações sobre as negociações salariais no município do Rio de Janeiro, as eleições sindicais dos jornalistas em Dourados (MS), Santa Catarina e na Paraíba, e sobre o falecimento de jornalistas em São Paulo, Minas Gerais e no Rio Grande do Sul.

No final de junho, a editora Abril dirigiu-se ao Sindicato dos Jornalistas (SJSP) para anunciar que demitiria cerca de 100 jornalistas em 8 de julho. O Sindicato, que em 2013 obteve decisão judicial suspendendo uma demissão em massa na Abril de 70 jornalistas e obrigando a empresa a negociar, não concordou e propôs a suspensão das demissões e a negociação de formas de manutenção das vagas e convocou uma assembleia para mobilizar a categoria.

Em 10 de julho, a empresa comunicou à entidade ter fechando um negócio envolvendo títulos, afastando a possibilidade de demissões, e que os jornalistas serão transferidos de empresa, sem que haja desligamentos. O SJSP prossegue acompanhando a situação na editora Abril.

No Rio, negociação do segmento de rádio e TV é encerrada
Os jornalistas de rádio e TV encerraram na sexta-feira (11/07) a campanha salarial em acordo com as empresas. Em assembleia com mais de 150 profissionais, ficou acertado reajuste salarial de 5,26%, retroativo a fevereiro, piso salarial de R$ 1.500 (televisão) e R$ 1.350 (rádio) para jornadas de cinco horas, participação de lucros escalonada (de 22% a 40% do salário, de acordo com o número de profissionais por empresa), R$ 390 mensais de vale alimentação ou refeição e R$ 350 mensais de auxílio-creche.

Para o segmento de jornais e revistas, porém, um possível acordo depende de posicionamento do sindicato patronal, que deve ocorrer na próxima semana. Os Jornalistas aprovaram, em assembleia realizada no dia 15 de julho, o reajuste salarial de 5,26% (INPC), com pagamento retroativo a fevereiro deste ano, tíquetes de alimentação e refeição de R$ 15,50 por dia trabalho, participação de lucros e resultados equivalente a 20% do salário mensal do jornalista, garantindo R$ 480, no mínimo, e máximo de R$ 872, mais uma parcela adicional de R$ 700 e auxílio-creche de R$ 330 mensais. Foi rejeitada, no entanto, a cláusula que estabelecia pisos salariais de R$ 1.200 (trainee) e de R$ 1.450 (jornalista) para jornadas de cinco horas, considerada muito rebaixada pela maioria dos profissionais.

Sindicatos dos Jornalistas de Dourados, Santa Catarina e da Paraíba realizam eleições
Os Sindicatos dos Jornalistas da Região da Grande Dourados, de Santa Catarina e da Paraíba realizam, nos meses de agosto e setembro, respectivamente, eleição para renovação de suas Direções. No Sinjorgran (Sindicato dos Jornalistas Profissionais na Região da Grande Dourados) a eleição será em assembleia geral a realizar-se nesta terça-feira (22), às 19h na sede do sindicato (Avenida Joaquim Teixeira Alves, 1985, sala 07, centro). A chapa única “Categoria atuante, jornalista fortalecido” é presidida pelo jornalista Luis Carlos Luciano. Em Santa Catarina a eleição será nos dias 21 e 22 de agosto, com uma chapa inscrita. Já na Paraíba, a eleição será no dia 16 de setembro, com eleição da Comissão Eleitoral em assembleia da categoria a ser realizada no dia 1º de agosto e prazo de inscrição de chapas até o dia 16 de agosto.

Em São Paulo, Minas Gerais e Rio Grande do Sul, jornalistas lamentam óbitos
Em nota emitida no dia 13 de julho, o Sindicato dos Jornalistas de São Paulo lamentou a morte do jornalista esportivo, Osmar de Oliveira , ocorrida na sexta-feira (11) em São Paulo, vítima de infarto, aos 71 anos. Formado em jornalismo pela PUC de Sorocaba, Osmar iniciou a carreira no jornal Cruzeiro do Sul, de Sorocaba, e teve passagens pela TV Gazeta (SP), Rádio Gazeta, TV Bandeirantes, SBT, TV Manchete, TV Cultura, TV Record e TV Globo.

Já o Sindicato dos Jornalistas de Minas Gerais lamentou, nesta quinta-feira (17/07) o falecimento do seu ex-presidente Salomão Magalhães Borges . Além de jornalista respeitado, Salomão ficou conhecido como “o pai da família Borges”, dono da casa onde se encontravam os artistas do “Clube da Esquina”. Tinha 98 anos; deixa 11 filhos, 25 netos e 10 bisnetos.

E o Sindicato dos Jornalistas do Rio Grande do Sul lamentou a perda de José Emanuel Gomes de Mattos, ocorrida na madrugada desta sexta-feira, dia 18. Ele integrava o Conselho Fiscal da entidade e trabalhou em Zero Hora, Folha da Manhã, NH, Diário Catarinense e revista Placar, entre outros veículos e assessorias. Emanuel Mattos, 63 anos, estava atuando na CTB (Central dos Trabalhadores do Brasil).