Nota de Repúdio da FENAJ e do SJP/Amapá

Nota de Repúdio da FENAJ e do SJP/Amapá

267

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado do Amapá – Sindjor/AP e a Federação Nacional dos Jornalistas – Fenaj, vem a público repudiar as agressões verbais e ameaças de agressão física sofridas pelo jornalista Rodolfo Soares dos Santos, e  compartilhadas em áudios, via watsapp, proferidas pelo presidente do Santos Esporte Clube/AP, Luciano Marba, circulando entre diversos outros grupos desde quinta-feira, 30.

O fato ocorreu a partir do momento em que o jornalista Rodolfo Santos, comentou no Grupo de Watsapp do Programa de Crônica Esportiva – Na Marca do Pênalti-, no qual o jornalista faz parte na condição de administrador, sobre o preço do ingresso, do jogo, Santos/AP x Remo/PA, onde os preços estava estabelecidos inicialmente em – Inteira R$ 100 reais e Meia R$ 50 reais. O jogo realizado na segunda-feira (03.04), às 20h15, no Estádio Zerão.

A declaração feita pelo jornalista Rodolfo Santos, teve o seguinte teor: “Torcedor amapaense achando salgado, o preço do ingresso do jogo, Santos X Remo, pela Copa Verde. Fiquei sabendo, que quem dita o preço é clube mandante da partida. Com a palavra, o presidente do Peixe da Amazônia”.

O Sindjor-AP e a Fenaj condenam veementemente a violência verbal do presidente do Santos/AP, Luciano Marba contra o jornalista Rodolfo Santos, que foi atacado por palavras de baixo calão e ameaçado de ter seu trabalho de transmissão ao vivo cerceado na área do campo.

Alicerçados na lei maior que rege a categoria, o Sindjor-AP e a Fenaj, consideram que o jornalista Rodolfo Santos é um profissional atuante e com reconhecimento no jornalismo esportivo amapaense.

O ataque do presidente do Santos/AP Luciano Marba, para o Sindjor-AP e para a Fenaj é um ato grave que demonstra a intolerância de convivência harmoniosa do presidente com a imprensa esportiva. A atitude de Luciano Marba, fere o direito constitucional da liberdade de imprensa. O Sindjor/AP e a Fenaj, bem como os jornalistas, se solidarizam ao profissional Rodolfo Santos, ora desrespeitado pela postura autoritária e antidemocrática.

O Sindicato e a Fenaj condenam toda forma de cerceamento da liberdade de imprensa e expressão, exigindo providência por parte dos Ministérios Públicos Estadual e Federal. O Sindjor já deu ciência a todo Brasil, por meio da Federação Nacional dos Jornalistas – Fenaj, o lamentável episódio que nos remete a período da ditadura em pleno século XXI. 

Não há democracia sem liberdade de imprensa e não há liberdade de imprensa sem jornalistas.

Macapá(AP), 4 de abril de 2017.

 

Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Amapá-Sindjor-AP

Federação Nacional dos Jornalistas-Fenaj