8 de Março: Ao lado das mulheres jornalistas em Gaza

96

Desde o início da guerra em Gaza, na Palestina, em 7 de outubro, jornalistas e trabalhadores da comunicação social têm sido alvo específico. As mulheres jornalistas pagaram um preço particularmente elevado como mulheres, repórteres e mães.

No  Dia Internacional da Mulher, o Conselho de Gênero da Federação Internacional de Jornalistas (FIJ) e todos os filiados da entidade prestam homenagem à coragem das mulheres jornalistas em Gaza e exigem segurança e o fim das atrocidades de guerra, incluindo qualquer forma de violência baseada em gênero contra as mulheres.

Enquanto a invasão terrestre de Israel empurrava os civis para o sul de Gaza, jornalistas e trabalhadores dos meios de comunicação social continuam a documentar a situação, cobrindo simultaneamente cenas horríveis e vivendo a guerra, arriscando as suas vidas e tentando sobreviver. A situação humanitária tornou-se catastrófica e o risco de fome é máximo.

Quando a guerra começou, o governo israelense bloqueou o acesso de civis ao enclave e os jornalistas de Gaza foram os únicos a testemunhar e a documentar as atrocidades em curso. A proibição dos meios de comunicação social em Israel não só impede os meios de comunicação internacionais de realizarem o seu trabalho e exerce uma pressão adicional sobre os jornalistas locais, mas também priva o público do seu direito à liberdade de expressão.

Treze mulheres jornalistas já perderam a vida em Gaza, segundo dados da FIJ . Outras estão expostos à falta diária de segurança e proteção. 

Deslocadas, vivendo em abrigos com as suas famílias, elas lutam para proporcionar segurança e proteção aos seus filhos, temendo pelas suas vidas.

A ONU Mulheres apontou para o número de agregados familiares onde uma mulher viúva tem a responsabilidade exclusiva de alimentar, proteger e sustentar a sua família, uma vez que homens foram mortos em todo o enclave.

A vida sob tendas aumentou os casos de violação e assédio devido à falta de segurança e privacidade e ao encerramento de abrigos para mulheres.

A falta de privacidade, as más condições sanitárias e de saúde, incluindo a falta de pensos higiénicos, tornaram-se desafios diários para as mulheres jornalistas.

É necessário fazer mais para garantir a sua segurança em Gaza e responder à contínua escassez de alimentos, eletricidade, agasalhos, equipamento de imprensa e necessidades específicas das mulheres.

No dia 8 de Março, o Conselho de Gênero da FIJ e as organizações filiadas à Federação prestam homenagem à coragem das mulheres jornalistas em Gaza, elogiam-nas pelo seu extraordinário trabalho na cobertura da guerra sob tais circunstâncias e instam Israel a instalar um cessar-fogo em Gaza.

As organizações apelam ao Tribunal Penal Internacional (TPI) para que priorize a investigação do caso de Shireen Abu Akleh, bem como de outros jornalistas palestinos que foram mortos pelo exército israelense. Muitas delas eram mulheres jornalistas. Não devem ser esquecidos e os culpados devem ser levados à justiça.