Após mobilização histórica, jornalistas do RJ conquistam reposição integral da inflação

212

Depois de três paralisações e muita disposição para a luta, os jornalistas de jornais e revistas, impressos e digitais, do Rio e da sucursal de Brasília que seguem a nossa Convenção Coletiva de Trabalho, aprovaram por esmagadora maioria a proposta apresentada pelo sindicato patronal no dia 14/7.

Na assembleia, os participantes destacaram o fato de que, embora não tenham conquistado todas as reivindicações, a proposta apresentada representou um avanço e o recuo das empresas só ocorreu graças à luta deles e do Sindicato.

Com a proposta aprovada, os profissionais do segmento de impressos que ganham até R$ 6 mil receberão a reposição de 100% da inflação – 10,60%. O mesmo índice será aplicado nos benefícios (vale alimentação, auxílio creche, seguro de vida, auxílio funeral) para todas as faixas. As empresas também pagarão, em parcela única, no mês de agosto, 50% da retroatividade.

Para os jornalistas presentes à assembleia virtual, é necessário que na próxima Campanha Salarial – que já começa em novembro deste ano -, o foco seja na elevação do piso salarial e da recomposição das perdas de 2020 e 2021.

Na avaliação do Sindicato, a Campanha Salarial do segmento de impressos foi histórica. Depois de mais de três décadas desde a última greve, a categoria conseguiu uma mobilização que permitiu três paralisações com adesão massiva. E isso ocorreu porque os jornalistas, que permaneceram na linha de frente em plena pandemia, enfrentando todo tipo de risco, não aceitaram receber um reajuste salarial que só aumentava as perdas. Vale lembrar que a primeira proposta apresentada pelas empresas era de reajuste salarial de 3,5% e congelamento dos benefícios.

A PROPOSTA APROVADA

PISO SALARIAL – Reajuste de 10,6% sobre o piso de fevereiro/2021, pago da seguinte forma: 5,3% em agosto/2022 e o restante, para completar os 10,6%, pagos em novembro/2022. Após a aplicação das duas parcelas (agosto e novembro) do reajuste acima proposto, o piso salarial para 5h passará a ser: empresas com até 50 jornalistas e em recuperação judicial: R$ 2.256,24; empresas com mais de 50 jornalistas: R$ 2.307,11

REAJUSTE SALARIAL

. Para salários até R$ 6.000,00: reajuste de 10,6%, em duas parcelas, sendo a primeira (agosto/2022) de 5,30% e a segunda (novembro/2022) o restante para completar os 10,6%.

. Para salários entre R$ 6.000,01 e R$ 12.000,00: reajuste de 7%, em duas parcelas, sendo a primeira (agosto/2022) de 3,5% e a segunda (novembro/2022) o restante para completar os 7%.

. Para salários acima de R$ 12.000,01: reajuste fixo de R$ 840,00, em duas parcelas, sendo a primeira (agosto/2022) de R$ 420,00 e a segunda (novembro/2022) o restante para completar os R$ 840,00.

ABONO – Abono indenizatório desvinculado do salário, em parcela única no mês de agosto/2022, conforme faixas abaixo:

. Para salários até R$ 6.000,00: abono de 31,80% do salário.

. Para salários entre R$ 6.000,01 e R$ 12.000,00: abono de 21% do salário.

. Para salários acima de R$ 12.000,01: abono fixo no valor de R$ 2.520,00.

REAJUSTE DE BENEFÍCIOS – Alimentação, Creche, Funeral e Seguro de vida: reajuste de 10,6% a partir do mês subsequente ao da assinatura da CCT.

Manutenção das demais cláusulas da Convenção Coletiva 2021/2022.