Dia dos Direitos Humanos: 45 jornalistas mortos em 2021, e 365 ainda na prisão por fazerem seu trabalho

15
Créditos: Louisa GOULIAMAKI / AFP

Para marcar o Dia Internacional dos Direitos Humanos em 10 de dezembro, a Federação Internacional de Jornalistas (FIJ) publicou as listas de jornalistas presos e mortos em 2021. De acordo com as estatísticas da Federação, 45 jornalistas foram mortos desde 1° de janeiro de 2021 e 365 ainda estão atrás das grades.

As duas listas ressaltam o aprofundamento da crise no jornalismo, com os direitos e a liberdade dos jornalistas sob constante ameaça em muitas regiões do mundo.

De acordo com as duas listas da FIJ – jornalistas mortos e presos -, 365 jornalistas ainda estavam na prisão em 10 de dezembro de 2021, contra 235 no ano passado. China (102), Turquia (34), Bielorrússia (29), Eritreia (29), Egito (27), Vietnã (21), Mianmar (18), Rússia (12), Azerbaijão e Iêmen (11), Camboja (10 ) e o Irã (9) são os maiores carcereiros de jornalistas.

A Ásia lidera a lista regional da FIJ com 162 jornalistas presos, seguida pela Europa (87), Oriente Médio e Mundo Árabe (65), África (49) e Américas (2).

A repressão aos profissionais da mídia em regimes autoritários, incluindo prisões em massa de jornalistas em Mianmar, Bielo-Rússia, Azerbaijão e Hong Kong, são responsáveis ​​pelo número crescente de colegas atrás das grades hoje.

A lista da FIJ de jornalistas e funcionários da mídia mortos até agora em 2021 está abaixo do ano passado, com 45 assassinatos registrados contra 65 em 2020. Embora essa redução seja uma notícia bem-vinda, é um pequeno consolo em face da violência contínua que ceifou a vida de jornalistas em países como Afeganistão (9), México (8), Índia (4) e Paquistão (3).

Mais uma vez, a Ásia lidera o pacote regional com 20 mortes, antes das Américas (9), África (8), Europa (6) e Oriente Médio e Mundo Árabe em apenas um.

A região da Ásia-Pacífico deve sua posição de destaque na lista de mortos à situação dos jornalistas no Afeganistão, conforme destacado pela crise de segurança na mídia, após o retorno ao poder do Taleban com sua intolerância declarada ao jornalismo independente e atitude hostil à participação das mulheres na vida pública, inclusive trabalhando como jornalistas. O colapso do governo afegão e a retirada das tropas ocidentais deixaram milhares de jornalistas lutando para chegar a um lugar seguro, fora de seu país, e abandonando suas carreiras e meios de subsistência.

Estas não são as únicas violações do direito dos jornalistas de exercer a sua profissão com segurança e independência. A FIJ denunciou a nova forma de vigilância em massa de jornalistas, Pegasus, um dispositivo de espionagem altamente avançado que foi usado para interferir nas comunicações de milhares de pessoas, incluindo jornalistas.

Mesmo o único raro desenvolvimento positivo para jornalistas, a entrega do Prêmio Nobel da Paz de 2021 a dois profissionais, Maria Ressa e Dimitry Muratov, serviu como uma lembrança dos sacrifícios que eles fizeram ao serviço da liberdade de imprensa e da democracia em seus países, como tantos qualquer um de seus colegas em todo o mundo.

“O mundo precisa acordar para as crescentes violações dos direitos dos jornalistas e da liberdade da mídia em todo o mundo”, disse o secretário-geral da FIJ, Anthony Bellanger. “Essas listas de jornalistas presos e colegas mortos são evidências claras de atos deliberados para suprimir a reportagem independente. Eles também apontam para a violação do direito fundamental das pessoas de acessar informações precisas, objetivas e justas para que possam fazer escolhas devidamente informadas sobre os assuntos públicos, que é um requisito para uma sociedade inclusiva e um verdadeiro governo por consentimento”.

A FIJ insta as Nações Unidas a adotar uma Convenção sobre a segurança de jornalistas para promover, proteger e garantir a segurança dos profissionais da mídia em tempos de paz e durante conflitos armados, e para salvaguardar sua capacidade de exercer sua profissão de forma livre e independente de forma meio ambiente, sem enfrentar assédio, intimidação ou ataques contra sua integridade física.