Dia Mundial do Trabalho Decente: Demitir jornalistas mata a notícia

16

A Federação Internacional de Jornalistas (FIJ) celebrará o Dia Mundial do Trabalho Decente (JMTD) no dia 7 de outubro, conclamando governos e meios de comunicação a proteger os empregos dos jornalistas e garantir o direito de receber informações de qualidade sob o lema “Demitir jornalistas mata a notícia”.

A pandemia de Covid-19 teve um impacto devastador no jornalismo. Desde o início da pandemia, muitos meios de comunicação em todo o mundo tiveram que fechar, destruindo milhares de empregos, enquanto muitos jornalistas continuam enfrentando longos atrasos na coleta de sua folha de pagamento, diz a Federação. A FIJ também alerta para a situação de milhares de jornalistas que não têm fontes de renda, enquanto muitos grandes proprietários de mídia aumentam seus lucros.

No Paquistão, mais de 8.000 dos 20.000 jornalistas no país perderam seus empregos somente em 2020, uma situação que afetou particularmente jornalistas em áreas rurais. No Nepal, a Federação de Jornalistas do Nepal (FNJ), filiada à FIJ, recolheu mais de 500 reclamações sobre perdas de empregos e salários não pagos durante 2020. Por sua vez, na Austrália, 123 redações fecharam desde janeiro de 2019, com a consequente destruição de empregos. Nos Estados Unidos, o número de demissões em redações até junho de 2020 dobrou em relação aos anos anteriores, enquanto na América Latina 16,7% dos jornalistas foram dispensados durante a pandemia.

Na África, a maioria dos jornalistas é negada até mesmo um contrato e direitos trabalhistas básicos. Os líderes sindicais africanos destacam a onda de perdas de empregos e cortes salariais decorrentes de medidas impostas em resposta à Covid-19. Na África do Sul, por exemplo, 60% dos autônomos perderam quase 70% de sua renda durante a pandemia.

Os sindicatos de jornalistas denunciaram que enquanto os salários eram congelados e jornalistas eram demitidos, muitos gerentes e proprietários de meios de comunicação aumentaram seus salários. No Reino Unido, o NUJ relatou que o salário do CEO da BBC aumentou £ 75.000 (€ 88.000) em setembro de 2021, enquanto o congelamento de salários, cortes no orçamento e demissões foram aplicados aos trabalhadores.

Além de demissões, cortes salariais e atrasos nos pagamentos, a queda nas receitas de publicidade durante a pandemia prejudicou a sustentabilidade de muitos meios de comunicação e afetou gravemente o emprego de jornalistas. A queda nas receitas de publicidade entre março e agosto de 2020 foi de 32% na Espanha e está longe de se recuperar. Nos Estados Unidos, a receita total de publicidade estimada para o setor de jornais em 2020 diminuiu 29% em comparação com 2019. Na Polônia, o declínio experimentado pelos jornais regionais foi de 80% no segundo trimestre de 2020.

O secretário-geral da FIJ, Anthony Bellanger, disse: “Informação de qualidade é essencial para os cidadãos em tempos de crise, mas não pode haver informação de qualidade sem jornalistas profissionais. É hora de agir. Para salvar empregos na mídia, para defender a informação como um bem público e pare de lucrar às custas dos trabalhadores da mídia. No Dia Mundial do Trabalho Decente, conclamamos as empresas de mídia e governos a trabalharem com os sindicatos para salvar empregos, investir no jornalismo e apoiar os trabalhadores da mídia mais precários”.

A FIJ apresentou a Plataforma Global para Jornalismo de Qualidade em 2020, um plano detalhado para salvar os meios de comunicação mais afetados e proteger os jornalistas mais precários. A FIJ novamente apela a todos os governos nacionais para se comprometerem com o jornalismo de qualidade em um momento em que a desinformação está aumentando e que o façam por meio de fortes medidas políticas e econômicas que sustentem a mídia e a mídia de qualidade.

A Federação recomenda, em particular, que sejam tomadas medidas para:

  • Tributar a renda de grandes empresas de tecnologia – Google, Apple, Facebook, Amazon, Microsoft – e usar os fundos arrecadados para apoiar a mídia independente e seus empregos.
  • Garantir que qualquer estímulo para a recuperação do jornalismo seja apoiado para fornecer às redações a equipe necessária para fornecer notícias e informações confiáveis,
  • Dar prioridade ao apoio aos jornalistas em situação de maior precariedade (incluindo os autônomos) através da criação de um fundo de proteção social, um salário mínimo nacional, isenção do imposto de renda e concessão de crédito bancário a taxas reduzidas.
  • Fortalecer a proteção dos direitos autorais dos jornalistas para aumentar sua renda.