Entidades pedem que partidos e presidenciáveis respeitem jornalistas durante próximas sabatinas e debates

40

A três semanas do primeiro turno da votação, as organizações signatárias – que atuam diretamente na defesa das liberdades de imprensa e de expressão no Brasil – manifestam indignação e preocupação com os ataques direcionados principalmente às mulheres jornalistas nestas eleições. Assim, instam as agremiações políticas a cessarem as hostilidades e a respeitarem o trabalho da imprensa nas próximas sabatinas e nos debates entre candidatos e candidatas. 

Em agosto, lançamos a Carta Compromisso com a Liberdade de Imprensa e a Segurança de Jornalistas nas Eleições 2022, pedindo que os presidenciáveis respeitassem a liberdade de imprensa e garantissem condições seguras para a cobertura eleitoral. O documento recomenda sete posturas aos candidatos até o fim do segundo turno. 

Entre elas, adotar um discurso público que contribua para prevenir a violência contra jornalistas e comunicadores/as; condenar publicamente qualquer forma de violência ou ataque contra a imprensa; não estimular, direta ou indiretamente, que apoiadores/as ofendam, ataquem ou agridam jornalistas, comunicadores/as e trabalhadores/as da imprensa; e garantir o acesso igualitário de jornalistas a atividades de campanha e a coletivas de imprensa, para que possam realizar a cobertura do processo eleitoral. 

Infelizmente, as recomendações vêm sendo desrespeitadas de maneira sistemática. Assim, reforçamos o pedido para que todas as candidaturas, seus partidos e coligações, assinem e acatem a carta compromisso. Até o momento, as candidaturas de Simone Tebet (MDB), Ciro Gomes (PDT), Léo Péricles (UP), Sofia Manzano (PCB) e Vera Lúcia (PSTU) à presidência da República já firmaram o compromisso. Jair Bolsonaro (PL) e Lula (PT) ainda não se manifestaram oficialmente.

As organizações destacam que, durante o período eleitoral, o papel da imprensa se torna ainda mais relevante para garantir o acesso à informação necessária para uma participação cidadã no debate público e nas eleições, de forma consciente e crítica. Que todos e todas os/as jornalistas possam exercer seu trabalho num ambiente de liberdade, respeito e segurança. 

12 de setembro de 2022.

Assinam:

ARTIGO 19

Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji)

Associação de Jornalismo Digital (Ajor)

Comitê para Proteção de Jornalistas (CPJ)

Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ)

Intervozes

Instituto Palavra Aberta

Instituto Vladimir Herzog

Repórteres sem Fronteiras (RSF)

Tornavoz