Intolerância, agressões e cerceamento ao trabalho de um profissional não combinam com democracia

4

O Sindicato dos Jornalistas de Santa Catarina manifesta sua solidariedade ao repórter fotográfico Guto Kuerten, que foi agredido no Campus da UFSC, em Florianópolis, na quarta-feira, 11 de setembro. Defensor das liberdades democráticas, este Sindicato não coaduna com a intolerância e agressões.

Assessor do deputado estadual Bruno Souza, Guto Kuerten acompanhou o parlamentar, que protocolou junto à direção do Centro Socioeconômico da UFSC, uma notificação extraoficial para a normalização das aulas, atualmente paralisadas pela greve de estudantes.

Na saída, em frente à Reitoria, o deputado foi abordado por manifestantes que pediam assinaturas para uma petição pela soltura do ex-presidente Lula, expôs sua posição e recusou o documento.

Quando Guto gravava imagens, um dos manifestantes tentou impedi-lo. A partir daí estabeleceu-se uma confusão, com ânimos alterados. Guto Kuerten foi atingido no braço por uma prancheta.

Independentemente dos fatos que geraram o conflito (e reconhecedor da legitimidade tanto da greve dos estudantes, quanto dos diversos movimentos sociais), o Sindicato dos Jornalistas de Santa Catarina reafirma sua solidariedade ao repórter fotográfico Guto Kuerten e reprova agressões e o cerceamento à liberdade de exercício da profissão de jornalista.

Florianópolis, 12 de setembro de 2019.

Diretoria do SJSC