Mulheres jornalistas em zonas de conflito: mudando a narrativa, mantendo-se seguras

900

Por ocasião do Dia Internacional da Mulher, em 8 de março, a Federação Internacional de Jornalistas (FIJ) e seu Conselho de Gênero concentram sua campanha em mulheres jornalistas que cobrem zonas de conflito, no âmbito de uma série de entrevistas que destacam os desafios diários que enfrentam, suas necessidades de segurança e a importância de governos de todo o mundo adotarem instrumentos internacionais que proíbem por lei a violência e os ataques contra jornalistas.

Da cobertura de guerras a movimentos de protesto, mulheres jornalistas que trabalham em zonas de conflito assumem riscos imensos em nome da liberdade de informação. A luta contra a censura governamental, as represálias e a desconstrução da desinformação são um desafio diário para muitos.

“Podemos cobrir histórias sobre pobreza, inflação e até críticas públicas a questões políticas e políticos, mas reportar sobre os responsáveis ​​por essas guerras – cujas políticas foram a razão pela qual essas guerras estouraram – é extremamente difícil”, disse Farzana Ali, a chefe do escritório da Aaj News TV em Peshawar, uma cidade no noroeste do Paquistão, que destacou quantas histórias humanas não são publicadas por medo da repressão.

“Jornalistas em Kharkiv, incluindo aqueles que dirigem os canais locais do Telegram, chegaram a um acordo para não divulgar informações não verificadas em nenhuma circunstância”, explica a jornalista ucraniana Hanna Chernenko.

A segurança é uma das principais preocupações das repórteres que cobrem zonas de conflito. Alguns profissionais enfrentam riscos diários de sequestro, desaparecimento, abuso físico ou prisão. Em muitos territórios onde há violência e instabilidade, ser jornalista não garante não ser alvo, apesar das convenções internacionais. Da mesma forma, a falta de equipamentos de proteção adaptados ao corpo da mulher e a ausência de protocolos de segurança na mídia colocam ainda mais em risco as mulheres jornalistas.

“O assassinato de Shireen Abu Akleh dobrou o medo dos jornalistas de cobrir histórias no local. O assassinato de uma jornalista tão proeminente quanto Shireen tornou o trabalho do resto de nós ainda mais difícil e assustador, porque nos demos conta que nenhuma de nós está segura”, diz Areen Amleh, jornalista palestina e instrutora de segurança da FIJ.

As repórteres compartilharam algumas dicas de segurança com a FIJ: ter uma visão clara da situação no terreno, evitar revelar locais, ter colegas por perto que possam ajudar em caso de problemas, adotar códigos de emergência com a escrita e trabalhar em um plano B antes de relatar.

“Minha prisão deu um exemplo para a agência de notícias onde trabalho e meus colegas jornalistas para tomar precauções extremas de segurança ao fazer reportagens”, disse a jornalista birmanesa Naw Betty Han.

A insegurança no emprego é outro problema crescente. Em muitas partes do mundo, a ausência de contratos de trabalho ou apólices de seguro, bem como violações de segurança digital e atrasos no pagamento de salários, obrigam muitas jornalistas a assumir riscos adicionais para sobreviver.

No entanto, reportar de zonas de conflito e tensão também é uma oportunidade para as mulheres jornalistas mudarem a narrativa do conflito, desafiarem os estereótipos de gênero e reportarem de forma diferente. Às vezes, ser mulher até se torna uma vantagem para acessar certos lugares e conversar com certas fontes.

“As mulheres podem ser mais adequadas para tarefas jornalísticas, seja cobrindo a guerra ou não, dado o duplo impacto da natureza, cultura e tradições na sociedade iemenita”, diz Thuraya Dammaj, editora do meio de comunicação online Yemen Future .

Na véspera das comemorações do 8 de março, a FIJ insta os governos de todo o mundo a combater a impunidade da violência contra mulheres jornalistas, ratificando a Convenção N 190 da OIT contra a violência e assédio no mundo do trabalho, e apoiar a Convenção liderada pela FIJ sobre a segurança e independência de jornalistas e trabalhadores da mídia.

Apoie nossa campanha aqui .