Prefeito de Itapebi ataca jornalistas e os chama de propineiros

37

O Sindicato dos Jornalistas da Bahia (Sinjorba) e a Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ) repudiam de forma veemente declaração do prefeito Juarez Oliveira (Avante), conhecido como “Peba”, de Itapebi, atacando os profissionais de comunicação, jornalistas e radialistas.

A fala foi proferida em um áudio emitido após matéria do site Leitura do Dia, que denunciou que obras de uma maternidade municipal estavam paralisadas e sem previsão de término, em prejuízo das gestantes que moram no município, em texto assinado pela jornalista Aline Cabral Guerra, conhecida como Alinne Werneck (clique aqui). O caso será levado para acompanhamento no âmbito da Rede ‘Agostinho Muniz’ de Combate à Violência Contra a Imprensa.

Após a matéria o prefeito gravou o áudio abaixo e enviou à jornalista perguntando se a mesma estava querendo propina. Mais adiante ele afirma que em época de eleição jornalistas e radialistas buscam propina. “Já conheço vocês jornalistas e radialistas, chega na época da política vocês querem uma propinazinha, vocês vivem um chicletizinho…”, disse ele, entre outras coisas. Ouça áudio completo.

A jornalista Alinne Werneck protestou contra a atitude do prefeito Peba em novas matérias publicadas em seu site e registrou boletim de ocorrência por injúria na 1ª Delegacia Territorial de Eunápolis. Em contato com o Sinjorba, disse que se sentiu intimidada como se diante dela não houvesse um gestor, mas sim um  ‘coronel do poder’.

“Jamais imaginei que uma simples matéria jornalística, onde evidenciei que a maternidade do município de Itapebi já deveria ter sido entregue, uma vez que há anos a mesma recebe verba para isto, desencadeasse a fúria do gestor, a ponto de me ofender com palavras de baixo nível, e ainda se disponibilizar a me conceder propina caso eu precisasse”, disse ela.

Em nota emitida em 29 de abril de 2024 e enviada a alguns veículos de comunicação, o prefeito Juarez Oliveira se desculpou e reconheceu que usou “palavras inapropriadas”, segundo ele em momento de tensão e que as circunstâncias que levaram àquele momento de exaltação não justificam a forma como se expressou. “Peço desculpas aos profissionais sérios da imprensa por quaisquer generalizações indevidas e reafirmo meu respeito por sua importante função”, disse. Clique aqui e veja a nota completa.

Repúdio

Mesmo com as desculpas, o Sinjorba e a FENAJ vêm a público repudiar as declarações, afirmar que atitudes individuais reprováveis de uma ou outra pessoa, se aconteceram, não podem ser generalizadas às categorias, cuja função é levar informação à sociedade, em exercício do livre direito de imprensa, garantido pela Constituição. Se o prefeito considera que uma matéria não é jornalística e baseia-se em mentiras, deve procurar a justiça para exigir reparação, mas nunca acusar todos os profissionais, que em sua ampla maioria são idôneos e sérios.

Para as entidades sindicais dos jornalistas, a um gestor público exige-se o equilíbrio ao se deparar com situações extremas para, no arroubo, não escorregar ao autoritarismo, prepotência e desrespeito à Constituição.

Da mesma forma, alertamos para o cuidado que veículos de comunicação e os profissionais que galgaram o registro profissional de jornalista no Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) devem ter com o tratamento da notícia, em especial em ano eleitoral. Sinjorba e FENAJ defendem a conclusão de curso superior em Jornalismo como critério basilar para ingresso na profissão exatamente porque é na universidade que os futuros jornalistas adquirem o conhecimento teórico e técnico necessário, além da formação em ética para atuação qualitativa, com isenção, responsabilidade e seriedade.