Bolsonaro é denunciado na ONU por ataques contra mulheres jornalistas

21

O presidente Jair Bolsonaro é, uma vez mais, denunciado no Conselho de Direitos Humanos. Desta vez, o ato se refere a seus ataques contra mulheres jornalistas. No total, entidades vão relatar em Genebra 54 casos de ofensivas do governo contra as profissionais.

A denúncia ocorre depois que a violência contra mulheres jornalistas foi apresentada nesta semana na entidade como tema da relatora especial das Nações Unidas sobre a Violência contra a Mulher, suas Causas e Consequência, Dubravka Simonovic. Em um informe detalhado, ela revela como governos têm usado instrumentos para desonrar, desacreditar e humilhar as jornalistas.

Para apresentar o caso brasileiro, a jornalista Bianca Santana tomará a palavra nesta terça-feira. Em maio, ela foi acusada pelo presidente de escrever ‘fake news’, depois que publicou um artigo sobre a relação entre familiares e amigos de Bolsonaro com os acusados de assassinar a vereadora Marielle Franco.

Ela fala em nome de diversas entidades, entre elas Agência de Notícias Alma Preta, Artigo 19, Casa Neon Cunha, Coalizão Negra por Direitos, Cojira-SP – Comissão de Jornalistas pela Igualdade Racial de São Paulo, Federação Nacional dos Jornalistas, Instituto Marielle Franco, Geledés – Instituto da Mulher Negra, Gênero e Número, Instituto de Desenvolvimento e Direitos Humanos, Instituto Vladimir Herzog, Intervozes – Coletivo Brasil de Comunicação Social e Marcha das Mulheres Negras de São Paulo.

Também apoiam a denúncia a Rede Nacional de Proteção a Comunicadores, Repórteres Sem Fronteiras, Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo, Sempreviva Organização Feminista, Terra de Direitos e Uneafro Brasil.

Acesse aqui matéria da coluna de Jamil Chade no @uolnoticias