Reino Unido: Ministra do Interior aprova extradição de Assange para os EUA

5
Crédito: AFP

Bruxelas, 17 de junho de 2022 – A secretária do Interior do Reino Unido, Priti Patel, aceitou o pedido do governo dos EUA para extraditar o editor do Wikileaks, Julian Assange, no que as Federações Internacionais e Europeias de Jornalistas (FIJ/EFJ) condenaram como uma decisão vergonhosa que estabelece “um terrível precedente para todos aqueles que que lutam diariamente para dizer a verdade”.

Em 17 de junho, apesar da FIJ e da mídia pedirem ao governo que rejeitasse o pedido de extradição, a ministra do Interior deu luz verde, ignorando os apelos para proteger a liberdade da mídia.

Assange está atualmente lutando contra a extradição para os EUA para enfrentar acusações, principalmente sob a Lei de Espionagem, relacionadas ao vazamento e publicação dos registros de guerra do Afeganistão e do Iraque.

Nos Estados Unidos, Julian Assange seria julgado por 17 acusações sob a Lei de Espionagem e uma sob a Lei de Fraude e Abuso de Computadores, que combinadas poderiam levá-lo à prisão por até 175 anos. É altamente provável que ele seja detido lá em condições de isolamento ou confinamento solitário, apesar das garantias do governo dos EUA, o que exacerbaria severamente seu risco de suicídio.

Assange já está detido na prisão de Belmarsh, no Reino Unido, há mais de três anos, apesar dos riscos à sua saúde mental e física.

Em março, a Suprema Corte recusou-se a considerar o recurso de Assange contra a decisão da Suprema Corte, que anulou a decisão do Tribunal Distrital que impedia a extradição por motivos de saúde mental. O caso, então, passou recentemente para a Ministra do Interior.

A FIJ e a EFJ estão preocupadas que a decisão estabeleça um precedente perigoso que possa ser aplicado a qualquer meio de comunicação que publique histórias baseadas em informações vazadas, ou a qualquer jornalista, editor ou fonte em qualquer lugar do mundo.

A FIJ também denunciou a falta de justiça adequada no futuro processo legal que poderia ocorrer, já que Assange seria incapaz de se defender adequadamente nos tribunais dos EUA, já que a Lei de Espionagem carece de defesa do interesse público.

A presidente da FIJ, Dominique Pradalié, disse: “A decisão da Ministro do Interior do Reino Unido de permitir a extradição de Julian Assange é vingativa e um verdadeiro golpe para a liberdade de mídia. Assange simplesmente expôs questões que eram de interesse público e o fracasso de Priti Patel em reconhecer isso é vergonhoso e abre um terrível precedente para todos aqueles que lutam diariamente para dizer a verdade. Nossa esperança agora está em um recurso bem-sucedido contra essa decisão. Todos os jornalistas devem apoiar Julian Assange , que lhes permitiu revelar crimes de guerra do exército dos EUA no Iraque e Afeganistão”.

A presidente da EFJ, Maja Sever, disse: “Esta decisão, que envergonha o governo britânico, deixará os autocratas e os inimigos da liberdade de imprensa felizes. Ela põe em questão a liberdade dos jornalistas de responsabilizar os estados poderosos, acusar os jornalistas que expõem crimes de guerra ou corrupção de serem espiões para extraditá-los. Isso é um verdadeiro escândalo”.