Jornalistas e radialistas da EBC fazem paralisação por mudanças no Plano de Cargos e Salários

242

ebc_interna_dez_2014Jornalistas e radialistas da Empresa Brasil de Comunicação (EBC) cruzaram os braços na terça-feira (09/12) para reivindicar mudanças na proposta do novo Plano de Cargos e Salários, que é elaborada em grupo que reúne gestores da empresa e trabalhadores. A paralisação de 24 horas aconteceu nas praças da emissora no Rio de Janeiro, São Paulo, Brasília e Maranhão. Na sexta-feira (12) representantes da FENAJ se reunirão com dirigentes da EBC buscando contemplar os interesses dos trabalhadores.

A mobilização tem como objetivo pressionar a direção da EBC e alertar o governo federal e a sociedade sobre a importância da revisão do Plano de Cargos da empresa contemplar um conjunto de medidas entendidas como fundamentais para o fortalecimento da comunicação pública. Entre elas está a inclusão de mecanismos como a garantia da autonomia editorial, pisos e tabelas salariais que tirem a EBC da lanterna do serviço público (como apontou pesquisa encomendada pela própria empresa com 32 órgão públicos) e estímulos concretos à formação e qualificação dos empregados.

A revisão do plano de carreiras da EBC vem ocorrendo desde 2012. Em agosto de 2013, após pressão dos funcionários que ameaçaram paralisar as atividades, a empresa criou o chamado Grupo de Convergência para tratar do assunto. Ele foi instituído para sistematizar contribuições dos trabalhadores ao novo plano e elaborar um relatório com recomendações à Diretoria Executiva. O grupo foi formado por representantes da empresa e das entidades representativas dos trabalhadores e encerrou os trabalhos na semana passada.

Contudo, a EBC não acatou demandas fundamentais dos empregados, reafirmadas em sucessivas assembleias desde início da criação do grupo. Entre elas destacam-se:
– Melhoria da tabela salarial com redução de níveis para progredir na carreira e aumento do piso (em assembleia foi aprovada proposta de tabela com piso de R$ 4.400 para nível superior e R$ 3.080 para nível médio);
– Descrição de cargos que respeite a legislação e não abra brechas para acúmulos e desvio de função;
– Equilíbrio entre promoção por mérito e antiguidade e
– Instituição de uma gratificação por qualificação;

Entre as divergências do Grupo, vale destacar a criação de sete pisos diferenciados entre categorias (atualmente há um para nível médio e outro para superior) e a proposta da empresa de conceder progressão automática anual a quem ocupa cargos de gestão (ou seja, chefias), sem que seja dado esse mesmo direito aos demais profissionais da casa.

O resultado do Grupo de Convergência segue agora para deliberação da Diretoria Executiva da EBC, que deve submeter a proposta a aprovação do Ministério do Planejamento.

Na sexta-feira (12/12), os diretores da FENAJ Celso Schröder e José Carlos Torves se reunirão com a direção da EBC, em Brasília. “Está claro que, como está, a proposta de novo plano ainda não é satisfatória, principalmente para jornalistas e radialistas. Por isso buscaremos sensibilizar a direção da EBC para que contemple reivindicações dos trabalhadores responsáveis pelas atividades-fim da empresa”, adianta o presidente da Federação, Celso Schröder. Mais tarde, às 19h, dirigentes da FENAJ se reunirão com a Comissão de Funcionários da EBC e representantes dos Sindicatos dos Jornalistas do Distrito Federal, Município do Rio de Janeiro e de São Paulo.

Veja, a seguir, o conteúdo do manifesto dos trabalhadores da EBC, divulgado no dia 9.

Comunicação pública forte só com autonomia e trabalhadores valorizados
No dia 9 de dezembro, os empregados da Empresa Brasil de Comunicação (EBC) realizam uma paralisação de 24 horas em Brasília, São Paulo, Rio de Janeiro e São Luís. O mote é a aprovação de um novo plano de carreiras que garanta a autonomia política e editorial da empresa e valorize os trabalhadores.

Atualmente, a EBC possui um plano de carreiras com diversos problemas. Empregados teriam que trabalhar na prática mais de 100 anos para chegar ao topo da carreira, os pisos salariais estão entre os piores do serviço público, a avaliação de desempenho não tem método justo nem critérios claros e os mecanismos de gratificação são totalmente discricionários. Isso gera um clima de desânimo, falta de reconhecimento, valorização por proximidade e não pelo desempenho de fato, barganha na concessão de funções gratificadas e dificuldade de mobilidade nos cargos.

Entendemos que o plano de carreiras impacta diretamente as condições para produzir um conteúdo de qualidade e as possibilidades de ingerência política e editorial no cotidiano dos veículos da EBC. As regras criadas podem, inclusive, servir de modelo para outros locais, para o bem e para o mal. Por isso, acreditamos que a revisão do plano de carreiras da maior empresa pública de comunicação do Brasil está relacionada aos rumos da comunicação pública como um todo no país.

Defendemos que um plano deve assegurar perspectivas de carreira, procedimentos justos e equilibrados de progressão e promoção, remunerações adequadas e compatíveis com o serviço público, estímulos concretos à formação e qualificação, estrutura de cargos que respeite a legislação e metodologias democráticas de avaliação de desempenho, entre outras questões. Somos contrários ao uso de mecanismos de gestão como forma de barganha, retaliação e ameaça, o que mina a independência dos trabalhadores frente a chefias, direções e governos de turno.

Neste sentido, apresentamos um conjunto de propostas após mais de um ano de debates com os trabalhadores, entre elas: (1) melhoria da tabela salarial com redução de níveis para progredir na carreira e aumento do piso (em assembleia foi aprovada proposta de tabela com piso de R$ 4.400 para nível superior e R$ 3.080 para nível médio); (2) descrição de cargos que respeite a legislação e não abra brechas para acúmulos e desvio de função; (3) equilíbrio entre promoção por mérito e antiguidade; (4) Instituição de uma gratificação por qualificação; e (5) avaliação paritária (com igual peso para avaliação própria, pelos pares e pela chefia).

No entanto, os gestores da empresa acolheram muito pouco desta pauta. Pior, apresentaram propostas preocupantes. Um exemplo é a introdução de pisos diferenciados por carga horária, o que penalizaria as categorias com jornada especial, como radialistas e jornalistas. Outro é o aumento de funções gratificadas (como funções técnicas e de supervisão), o que, combinado à ausência de procedimentos internos de seleção com regras claras, amplia a dependência dos trabalhadores em relação às chefias. Os gestores querem, ainda, a terceirização de alguns cargos de radialistas.

A paralisação dos trabalhadores da EBC visa sensibilizar a diretoria da empresa, o governo federal e a sociedade para a importância do processo e para a pauta dos empregados. Entendemos que o fortalecimento da comunicação pública passa necessariamente pela promoção da sua autonomia e pela valorização dos seus trabalhadores.

Brasília, Rio de Janeiro, São Paulo e São Luís, 9 de dezembro de 2014.

Comissão de Empregados da EBC
Sindicato dos Radialistas do DF
Sindicato dos Radialistas do RJ
Sindicato dos Radialistas de SP
Sindicato dos Jornalistas Profissionais do DF
Sindicato dos Jornalistas no Município do RJ
Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de SP

Com informações dos Sindicatos dos Jornalistas do Distrito Federal e do Município do Rio de Janeiro