Sindicatos dos Jornalistas e dos Radialistas do DF e FENAJ reagem a MAIS UM ATAQUE de Bolsonaro à imprensa

164

O Sindicato dos Jornalistas e das Jornalistas Profissionais do Distrito Federal (SJPDF), o Sindicato dos Radialistas do DF (Sinrad) e a Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ) vêm a público, mais uma vez, manifestar seu total repúdio à atitude do presidente da República contra os/as trabalhadores/as da imprensa. Na manhã desta terça-feira (31/03), na portaria do Palácio do Alvorada, residência oficial, Jair Bolsonaro interrompeu a entrevista que costuma conceder diariamente para estimular seus apoiadores a hostilizarem os repórteres que estavam trabalhando.

Após uma pergunta sobre a postura do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, que tem dado orientações que vão na contramão das declarações e atitudes de Bolsonaro em meio à pandemia do novo coronavírus, seus apoiadores começaram a gritar e atacar verbalmente os jornalistas no local. Bolsonaro, dando mais uma mostra da sua completa irresponsabilidade pública, reagiu incentivando os apoiadores a seguirem os ataques e ainda mandou os jornalistas ficarem quietos enquanto ouviam os xingamentos. Em reação, os profissionais da imprensa se afastaram do local, encerrando a entrevista.

Um ataque intimidatório e agressivo como este é inaceitável, ainda mais tendo sido estimulado pelo próprio presidente da República que, incapaz de lidar com a crítica, tem apresentado comportamento autoritário e antidemocrático em escala. A liberdade de imprensa é fundamental para manter a população informada, especialmente em momentos de crise como o atual.

Os Sindicatos e a Federação expressam solidariedade aos e às colegas, novamente alvos de mais um ataque deplorável. As entidades informam que cobrarão medidas para garantir proteção e segurança para o exercício da cobertura jornalística da Presidência da República. É fundamental enfatizar que o acesso às autoridades é prerrogativa do trabalho dos/as jornalistas em sua missão de informar a população e cabe aos governantes serem transparentes e prestarem contas à sociedade. Não há democracia sem liberdade de imprensa e de informação.