Sindjorce e FENAJ repudiam demissões imotivadas no Diário do Nordeste

216
Em nota emitida no dia 22 de agosto, o Sindicato dos Jornalistas do Ceará e a FENAJ repudiaram a recente demissão de seis trabalhadores do Diário do Nordeste, às vésperas do início da campanha salarial de mídia impressa, cuja data-base é 1º de setembro. Saiba mais, também, sobre as mobilizações dos jornalistas nas Organizações Rômulo Maiorana (ORM), no Pará, a posse da nova direção do Sindicato dos Jornalistas do Pará e sobre as eleições no Sindicato dos Jornalistas de Santa Catarina.

Os jornalistas do Diário do Nordeste – dois editores, um repórter, um diagramador e um arquivista – tiveram seus trabalhos dispensados sem a menor explicação. Colegas da base relatam “um clima de terror” na maior redação do Ceará, o que tem impactado diretamente na saúde emocional dos trabalhadores.

O Diário do Nordeste ostenta o lamentável título de empresa de comunicação com maior número de demissões imotivadas no Ceará no primeiro semestre de 2014. De janeiro a junho, foram 11 colegas dispensados. Aos que permanecem na redação, resta a sobrecarga de trabalho, pois novas vagas não estão sendo abertas. Há editorias desfalcadas, como é o caso de Cidade. Também é visível a substituição de profissionais por estagiários.

Empresas de todo o país têm demitido jornalistas sob o pretexto de ajustes nas contas, mesmo mantendo altas taxas de lucro, impulsionadas sobretudo pelos grandes eventos, especialmente a Copa do Mundo. Não resta dúvida de que esse quadro geral de demissões tem um único objetivo: ampliar as margens de lucro a custo da redução do quadro de trabalhadores das empresas.

O Sindjorce e a FENAJ manifestaram solidariedade aos profissionais dispensados sem justa causa, repudiaram essa medida ofensiva aos trabalhadores e colocaram a assessoria jurídica à disposição dos demitidos.

Jornalistas do Pará fazem manifestação em frente à TV Liberal
Após realizarem dois atos públicos no dia 14, os jornalistas que trabalham nas Organizações Rômulo Maiorana (ORM) realizaram nova manifestação nesta quinta-feira (2/8), em frente à sede da TV Liberal, em Belém. A categoria rejeitou a última proposta da empresa, de aumento salarial de apenas 0,19% além do índice da inflação (5,81%); redução para oito meses do prazo para a compensação e/ou pagamento das horas-extras, incorporação apenas dos redatores no Acordo Coletivo de Trabalho (ACT), deixando os editores de fora; e a entrega da cópia da folha de ponto, para o controle das horas extras realizadas.

A reivindicação é de 10% de aumento para todos, auxílio-alimentação de R$ 400, contratação de mais jornalistas em função da sobrecarga de trabalho pelo número reduzido de profissionais na redação, isonomia salarial entre os trabalhadores da capital e demais regiões do estado, prazo máximo de 3 meses para compensação ou pagamento das horas extras e piso salarial para jornalistas que exerçam a função de editores e redatores.

Nova diretoria do Sindicato do Pará toma posse
No dia 23 de agosto a nova diretoria do Sindicato dos Jornalistas do Pará (Sinjor-PA), presidida pela jornalista Roberta Vilanova, tomou posse em cerimônia realizada na sede do Sindicato dos Urbanitários do Pará, para o cumprimento do mandato do triênio 2014/2017. O presidente da FENAJ, Celso Schröder, participou da solenidade.

Jornalistas de Santa Catarina elegem nova direção
O Sindicato dos Jornalistas de Santa Catarina realizou eleição para renovação e sua direção nos dias 21 e 22 de agosto, para o triênio 2014/2017. Participaram do processo, que contou com votação eletrônica e urnas volantes, 182 profissionais. A chapa “#vaitermais”, presidida pelo jornalista Aderbal Filho, foi eleita com 89,5% dos votos.