Fórum das Centrais Sindicais reforçam mobilização para greve geral do dia 28

Fórum das Centrais Sindicais reforçam mobilização para greve geral do dia 28

701


Plenárias, debates, distribuição de materiais informativos e muitas reuniões de mobilização estão sendo realizadas país afora, como preparativos para a greve geral do dia 28 de abril. À frente das atividades estão as centrais sindicais, federações e sindicatos de trabalhadores de diversas categorias e também as frentes Brasil Popular e Povo sem Medo.

Depois do sucesso das paralisações e atividades de protestos ocorridas no mês de março, o governo de Michel Temer anunciou nesta semana novas mudanças na Proposta de Emenda à Constituição (PEC 287/2016) que trata da reforma da Previdência. Os recuos anunciados, entretanto, não foram considerados suficientes pelas centrais sindicais brasileiras e pelos movimentos/fóruns da sociedade civil. Para o presidente da CUT, Vagner Freitas, as mudanças pontuais não evitarão a greve geral do dia 28, contra as reformas previdenciária e trabalhista e a terceirização irrestrita, que vem ganhando adesões de várias categorias.

A Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ), que é filiada à CUT, já orientou seus sindicatos a mobilizar a categoria. “Os trabalhadores e as trabalhadoras precisam estar atentos porque as ações do governo para a retirada de direitos são amplas. Além da reforma da Previdência, a reforma Trabalhista é outra ameaça real”, afirma a presidenta da FENAJ, Maria José Braga.

Parecer

O relator da reforma trabalhista, deputado Rogério Marinho (PSDB/RN), apresentou seu relatório, nesta quarta-feira (12), na Comissão Especial, da Câmara dos Deputados, que analisa o tema. A reforma trabalhista prevê alterações, na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), que prejudicam a classe trabalhadora. A criação da categoria do “trabalho intermitente”, na qual o trabalhador é remunerado apenas pelas horas trabalhadas, por exemplo, deixa o trabalhador sem nenhuma garantia e/ou proteção.

“É a volta ao século 19, ao início da revolução industrial, quando os trabalhadores eram praticamente escravos das empresas. Nessas condições, o trabalhador não tem como organizar sua vida, não sabe quanto vai ganhar no final do mês e nem de que tempo poderá dispor para outras atividades. Isso é completamente inaceitável. É a precarização completa do trabalho”, critica Vagner Freitas.

O relatório também prevê o acordo individual de trabalho, a prevalência do acordado (em acordos/convenções) sobre o legislado, o parcelamento de férias em até três períodos, a redução do intervalo de almoço entre outras alterações na CLT.

Na preparação da greve geral, a CUT reuniu, na segunda-feira (10), em São Paulo, os trabalhadores em transportes de todas as modalidades. Rodoviários, ferroviários, metroviários, aeronautas, marítimos e agentes de trânsito filiados à CNTTL/CUT de várias regiões do país participaram da Plenária Nacional do Ramo dos Transportes, que aprovou protestos para a greve geral no dia 28 de abril.

Com informações da CUT.