Nota de repúdio às agressões e furto contra jornalista

Nota de repúdio às agressões e furto contra jornalista

101

Nota de repúdio às agressões
e furto contra jornalista

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Norte do Paraná e a Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) repudiam e condenam as agressões e furto contra o jornalista Ângelo Rigon durante votação na Câmara de Maringá que deliberava sobre abertura de Comissão Processante contra o vereador Homero Marchese.
Rigon relata que deixava a galeria do Plenário Ulisses Bruder, quando um rapaz de cabelos grisalhos aplicou contra ele um golpe que combina pulo e chute, conhecido como “voadora”, na entrada da galeria. Essa pessoa, que foi identificada por testemunhas como Otávio Marchese, irmão do vereador Homero Marchese, retornou ao plenário e voltou a agredir Rigon fisicamente na frente de dezenas de pessoas. Na fuga testemunhas relatam que Otávio Marchese fugiu do plenário levando o iPhone de Rigon, instrumento de trabalho que havia caído no chão durante a agressão.
A prática de ataques físicos a jornalistas está se tornando um hábito nefasto, que fere o direito à informação e espelha o ódio e o desrespeito cada vez mais presentes em determinados segmentos da sociedade.
O Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Norte do Paraná e a Fenaj reiteram que a prática da violência nada acrescenta à informação devida à população, função inerente ao trabalho dos jornalistas e um dos pilares de sustentação da democracia brasileira. Ao atacar o jornalista, o agressor demonstra que possui princípios que vão contra o sagrado direito que o cidadão tem à informação, que não pode ser cerceado de nenhuma forma.
O Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Norte do Paraná e a Fenaj também condenam qualquer ato de violência contra jornalistas e demais trabalhadores, sejam agressões vindas de autoridades ou de populares, seja o abuso físico ou moral.
A liberdade de imprensa é um marco pelo qual o Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Norte do Paraná e a Fenaj sempre lutaram, pois foi graças à livre expressão que o país obteve conquistas relevantes para o florescimento, a manutenção e a evolução da democracia brasileira.