Em tentativa de intimidação, assessor de Carlos Bolsonaro abre notícia-crime contra repórter da Veja

12

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Município do Rio de Janeiro e a Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ) se solidarizam à repórter Sofia Cerqueira, da revista Veja, vítima de abertura de notícia-crime pelo exercício de seu trabalho, uma investigação sobre os assessores do vereador Carlos Bolsonaro, do Republicanos.

A queixa foi feita por um advogado, assessor do vereador, e aberta pelo titular da Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática (DRCI) do Rio. O assessor acusa a jornalista de “perseguição”, em uma denúncia aberta em 28 de setembro, e a DRCI instaurou o inquérito 15 dias depois. A profissional e outros jornalistas da Veja apuram suspeitas de que assessores de Carlos Bolsonaro seriam funcionários-fantasmas, e fizessem a prática de “rachadinha”, com a entrega de parte de seus salários ao vereador. O caso é investigado pelo Ministério Público.

Trata-se de uma clara tentativa de cerceamento do exercício do jornalismo, com a intenção de intimidar os profissionais a não seguirem com a apuração das denúncias. A FENAJ e o SJPMRJ exigem que a DRCI arquive o inquérito, que viola o livre exercício do trabalho jornalístico, e por consequência, o direito à liberdade de informação.

As entidades entraram em contato com a jornalista e se colocaram à disposição para o que for necessário.

Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Município do Rio de Janeiro (SJPMRJ)
Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ)