Cespe anula edital e divulga novas notas de prova da EBC

257
A Cespe/UnB, responsável pela aplicação das provas práticas do concurso de repórter cinematográfico da Empresa Brasil de Comunicação (EBC), anulou o edital de número 39, do dia 9 de maio, que apontava 70% dos candidatos com nota zero no teste. Segundo a própria EBC, “houve erro material na divulgação do resultado provisório”. Acompanhe, também, informações sobre a campanha salarial dos jornalistas de rádio e TV de Minas Gerais e a nova edição do programa radiofônico “Jornalismo em Debate”, que abordará a cobertura da imprensa sobre a Comissão da Verdade e a abertura dos arquivos da ditadura.

Um novo edital foi divulgado na última quarta-feira (16/5) com novas notas. Antes, eram 54 profissionais que haviam tirado zero. Agora, apenas três figuram com nota mínima. Com esta atitude, a Cespe/UnB volta atrás em sua posição que, até a tarde da última sexta-feira (11/5), era de não admitir qualquer erro sobre os testes. Também na sexta-feira, a EBC divulgou nota pedindo explicações à entidade.

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Município do Rio de Janeiro buscou desde a semana passada, ao receber denúncias dos resultados, explicações sobre o caso. A direção da EBC, em Brasília, foi informada sobre as notas e, à instituição que aplicou as provas, foram solicitadas explicações.

Em reunião nesta sexta-feira (18), o Departamento Jurídico do Sindicato dos Jornalistas do Município do Rio de Janeiro ficou à disposição dos jornalistas. Há possibilidade de ação coletiva, caso os responsáveis pelo concurso não se manifestem com alguma explicação consistente e tomem decisões que reparem possíveis danos aos profissionais. Os candidatos poderão interpor recurso até as 18 horas desta sexta-feira.

Jornalistas de rádio e TV de Minas gerais aprovam acordo
Os jornalistas de rádio e TV de Minas Gerais aprovaram, no dia 15 de maio, a contraproposta patronal para a renovação da Convenção Coletiva de Trabalho de 2012. Pela proposta apresentada pelos empresários, o piso salarial de rádio será reajustado em 7%, a remuneração básica dos profissionais de TV terá aumento de 6,5%, o que configura ganho real (o INPC medido em abril foi 4,97%). Aos demais salários será aplicado índice de 5%. Os jornalistas do setor receberão PLR ou abono de R$ 1.575, em duas parcelas.

Trabalhadores rejeitam retirada de cláusula de qualificação
Com 104 votos contrários, de um total de 139 votantes em consulta promovida pelo Sindicato dos Jornalistas, os profissionais empregados em emissoras de rádio e televisão do Ceará rejeitaram a contraproposta apresentada pelo sindicato patronal para o fechamento da Campanha Salarial 2012. Dos profissionais ouvidos nas principais redações de Fortaleza 74,82% não aceitaram a retirada da cláusula que estabelece gratificação de 5% sobre o salário para jornalistas com cursos de qualificação a partir de 180 horas/aula. A cláusula foi aceita pelos patrões numa negociação e retirada na reunião seguinte. Na consulta foram ouvidos jornalistas sindicalizados e não sindicalizados nas redações da TV Verdes Mares, TV Diário, Rádio Verdes Mares, TV O Povo, Rádio O Povo/CBN, TV Jangadeiro, FM Jangadeiro, Rede TV!, TV Cidade, TV Ceará, TV União, TV Fortaleza, Rádio Fortaleza, TV Assembleia e Rádio Assembleia.

Já a greve dos trabalhadores gráficos, deflagrada na quinta-feira (17/05) recebeu dos maiores jornais do Ceará um tratamento que é a antítese da defesa da democracia tão preopalada pelos empresários de comunicação. Segurança particular armada de cacetetes e pistolas, adiantamento de turnos, cárcere privado e ameaças de demissão foram a tônica da tentativa de coibir o legítimo direito de greve nos jornais O Povo e Diário do Nordeste. Cansados do descaso e do desrespeito dos patrões, os trabalhadores deflagraram greve após mais de 5 meses de negociações. Um dos principais motivos da paralisação é a intransigência patronal em não conceder a cesta básica reivindicada pelos trabalhadores.

“Jornalismo em Debate” discute o papel da imprensa na abertura dos arquivos da ditadura militar
O programa “Jornalismo em Debate” da próxima terça-feira, 22 de maio, irá discutir o papel da imprensa na cobertura da formação da Comissão da Verdade, criada para apurar violações aos direitos humanos entre 1946 e 1988, e abertura dos arquivos da ditadura militar. Já estão confirmados para participar do programa o assessor de movimentos sociais Frei Betto, o advogado Prudente Mello e a Deputada Estadual e integrante da comissão em Santa Catarina Ada de Luca. Vários outros especialistas no tema e jornalistas também estão sendo contatados para integrarem o grupo de debatedores. O programa da Cátedra FENAJ/UFSC de Jornalismo para a Cidadania poderá ser acompanhado ao vivo, a partir das 16h, pelo site da Rádio Ponto UFSC em www.radio.ufsc.br. Perguntas e colocações podem ser enviadas, desde já, para o e-mailjornalismoemdebateufsc@gmail.com ou pelo twitter@radioponto.

Com informações dos Sindicatos dos Jornalistas do Município do Rio de Janeiro e de Minas Gerais e da Rádio Ponto UFSC.