Composição do Fórum do SBTVD-T exclui sociedade civil

229

No lançamento do Fórum do SBTVD-T, realizado em São Paulo no dia 23 de novembro, confirmou-se a política excludente do Ministério das Comunicações sobre o tema em relação aos movimentos sociais. O Fórum será formado por 13 integrantes. Os radiodifusores e a indústria de receptores têm quatro vagas no Comitê do Fórum, a indústria de transmissores tem duas, as instituições de pesquisa outras duas e as empresas de software uma. O anúncio da composição gerou protestos.

Rede Globo, Rede TV!, SBT e Record serão as emissoras titulares no comitê Executivo do Fórum, ficando as emissoras públicas TVE e TV Cultura como suplentes. Gradiente, Philips, Samsung, Semp-Toshiba representarão a indústria de receptores. Da indústria de transmissores, estão Linear e Telavo, enquanto as instituições de pesquisa LSI-USP e UFPB são titulares, e UFRGS e UFRJ, suplentes. Das empresas de software apenas a Potis foi chamada.

A pequena representação da academia na composição do Fórum provocou descontentamento. Sérgio Bampi, professor da UFRGS, se retirou tanto da Câmara Executiva quanto do Fórum. Ele apresentou uma proposta de maior participação das instituições universitárias, que não foi aprovada.

A inexistência de representantes da sociedade civil nesse processo foi lamentada por entidades do setor e integrantes do Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC). Para Celso Schröder, coordenador-geral do Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC), esta formação é o coroamento da lógica que tomou conta desse debate desde a posse do ministro Hélio Costa. “Representa um domínio da técnica sobre o conteúdo. É uma política desconectada das macroquestões e que beneficia exclusivamente aos radiodifusores”, lamenta.

Também protestaram contra a composição do Comitê Executivo Fórum do SBTVD-T representantes do Sindicato dos Trabalhadores em Pesquisa, Ciência e Tecnologia de São Paulo (SinTPq), da Secretaria de Comunicação da Central Única dos Trabalhadores (CUT), da Associação Nacional das Entidades de Artistas e Técnicos em Espetáculos de Diversões (Aneate), da Associação Brasileira de TVs Universitárias (ABTU).

Com informações do FNDC