Congresso da FIJ homenageia 408 jornalistas mortos nos últimos 3 anos

269

marcha_da_liberdade_internaRealizado em Dublin, na Irlanda, de 4 a 7 de junho o 28º Congresso da Federação Internacional de Jornalistas (FIJ) definiu as principais bandeiras de luta da categoria a nível mundial. Entre elas, o aprofundamento do debate sobre o futuro do Jornalismo, a luta por melhores salários e condições de trabalho dos jornalistas e a segurança no exercício da profissão. Uma Marcha da Liberdade homenageou 408 jornalistas mortos no exercício da função desde 2011. Além da reeleição de Jim Boumelha para a presidência, Celso Schröder, presidente da FENAJ, foi eleito para a Vice-presidência da FIJ.

Com o tema central “o trabalho decente”, o 28º Congresso Internacional dos Jornalistas contou com aproximadamente 400 participantes. Os debates e resoluções se deram em torno de questões como a legislação sobre comunicação em diversas partes do mundo, a regulamentação profissional e a necessidade de formação dos jornalistas, salários e condições de trabalho e, principalmente a segurança no exercício da função.

Um dos momentos mais marcantes do Congresso FIJ foi a “Marcha da Liberdade”, quando os participantes caminharam pelas ruas de Dublin levando em suas mãos 408 cravos. “Foi nossa saudação aos homens e mulheres que morreram por causa de sua profissão e a reafirmação de nosso compromisso com a defesa do jornalismo e dos jornalistas”, disse a secretária geral da FIJ, a brasileira Beth Costa, em alusão aos 408 profissionais de imprensa mortos no exercício de sua função nos últimos 3 anos.

Os delegados do 28º Congresso da FIJ aprovaram uma moção de repúdio à repressão do governo da Turquia contra o movimento pacífico para defender a preservação do Gezi Park, iniciada em 28 de maio. Condenando o ataque com o uso de gás lacrimogêneo pela polícia em Istambul, dirigido especificamente contra jornalistas de mídia impressa e eletrônica que cobriam os eventos e que foram gravemente feridos no exercício da profissão, a moção manifestou surpresa com as palavras do primeiro-ministro turco, Recep Tayyip Erdogan, sobre o impacto das redes sociais como o Twitter, que ele considera “uma ameaça à sociedade”. E exige a libertação imediata de todos os jornalistas sob custódia durante as manifestações, bem como a desistência de qualquer ação judicial contra os profissionais de imprensa.

O evento foi marcado, também, por uma acirrada disputa pela presidência da FIJ. Após a apuração, onde o atual presidente, Jim Boumelha, foi reeleito por 191 votos, contra 178 dados a Philippe Leruth, Vice-Presidente da Federação Europeia de Jornalistas (FEJ), houve questionamentos ao processo. Superado o impasse procedeu-se a apuração para os demais cargos da estrutura administrativa e para o Comitê Executivo da FIJ.

Para Celso Schröder, o 28º Congresso da FIJ foi importante não só por seus debates e resoluções, mas principalmente porque a entidade ficou mais fortalecida. “A eleição para toda a estrutura diretiva da Federação resultou numa composição mais equilibrada, com representação de todos os continentes e com o encaminhamento das lutas internacionais da categoria contemplando a todos”, disse.

Já quanto à sua eleição para a vice-presidência da FIJ, Schröder se declarou honrado e atribuiu os 200 votos recebidos à importância política da América Latina e do papel histórico da FENAJ no encaminhamento das lutas dos jornalistas.

Conheça, a seguir, a nova direção da FIJ.

Direção administrativa
Presidente, Jim Boumelha (NUJ, Grã-Bretanha e Irlanda)
Vice-Presidente Sênior, Youness Mjahed (SNPM, Marrocos)
Vice-Presidente, Celso Schröder (FENAJ, Brasil)
Vice-Presidente, Jasmina Popovich (TUCJ, Croácia)
Tesoureiro Honorário, Wolfgang Mayer (Ver.di, Alemanha)

Comitê Executivo
Abdel Nasser Najjar – PJS – Palestina
Zuliana Laínez Otero – ANP-FNTCS – Perú
Pervez Shaukat – Presidente PFUJ – Paquistão
Moaid Allami / IJS – Iraque
Mohammed Garba – NUJ – Nigéria
Olivier Da Lage – SNJ – França
Cristopher Warren – MEAA – Austrália
Luis Menéndez – FAPE – Espanha
Sabina Inderjit – IJU – Índia
Franco Siddi – Itália
José Leopoldo Insaurralde – FATPREN – Argentina
Felile Moholi – LJU – Lesoto
Eko Maryadi – AJI – Indonésia
Bernard Lunzer – TNG – Estados Unidos
Michael Yu – ATJ – Taiwan
Chong-Ryul Park – JAK – Coréia