Debate com vice da FENAJ e parlamentares esclarece pontos do CFJ a jornalistas paranaenses

310

Profissionais e estudantes de Jornalismo de Curitiba (PR) tiveram, no dia 20 de setembro, uma excelente oportunidade de se informar a respeito da criação do Conselho Federal de Jornalismo (CFJ) no debate promovido pelo Sindicato dos Jornalistas do Paraná. Mediado pelo presidente do Sindicato, Ricardo Medeiros, o encontro contou com a presença dos deputados federais Gustavo Fruet (PMDB/PR) e Clair da Flora Martins (PT/PR), ambos integrantes de comissões que analisam o projeto do CFJ na Câmara. Participaram também a jornalista Elza Oliveira e o vice-presidente da FENAJ, Fred Ghedini.

Foi uma ocasião didática em que não apenas foi dissipada a nuvem de informações distorcidas que prevaleceu sobre a cobertura do tema na mí­dia, mas também foram sugeridas ações de ampliação dos debates para além do cí­rculo jornalí­stico, envolvendo toda a população. Para isso, sugeriu um participante, as convocações para os debates deveriam se dar da forma mais massiva possí­vel, valendo-se de megafone e carro de som, se necessário.

Aos participantes, ficou claro que a intenção do projeto é regulamentar o acesso à profissão e fazer valer regras éticas para o Jornalismo, sem exercer qualquer tipo de coerção sobre as diversas opiniões exteriorizadas pelos profissionais.

Ghedini relatou a trajetória de criação do Conselho, explicando que não se trata de uma iniciativa recente, mas de um longo processo que vem sendo amadurecido e consolidado desde os anos 80. Somente em 1996 ele foi aceito por um congresso da classe, mas enfrentou percalços até ser apresentado, novamente, no final de 2002, ao Poder Executivo, a quem cabe a iniciativa pela criação de autarquias.

Elza Oliveira falou da sua experiência como membro do Conselho de Ética do Sindicato e explicou que o Conselho Federal de Jornalismo dará a condição de efetivamente aplicar o código de ética da categoria.

Fruet e Clair abordaram o trâmite legislativo e enfatizaram a necessidade de amplos debates. Fruet relatou as dificuldades que o projeto deve enfrentar em sua tramitação, especialmente em função do momento pouco propí­cio. Ele disse que a oposição ao governo federal vê, no CFJ e em outras iniciativas, partes de uma polí­tica autoritária. O deputado sugeriu que a mobilização em favor do Conselho se intensifique e envolva a sociedade. A deputada Clair lembrou que “o Congresso é uma casa de pressões”.