Diversas atividades nacionais dos jornalistas serão realizadas este ano

959

A agenda de atividades dos jornalistas para 2006 promete ser bastante agitada. O Seminário Nacional de Ética, o III Encontro Nacional de Jornalistas de Imagem são alguns deles e serão abordados em nossas próximas edições. Nesta semana registramos o convênio especial de estágio entre o Sindicato do Rio e o STF, o manifesto dos jornalistas contra o preconceito da imprensa em relação aos movimentos sociais, dois projetos aprovados na Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática da Câmara e o lançamento do livro “Adísia Sá – Uma biografia”.

Sindicato do Rio e STF firmam convênio especial de estágio
No dia 3 de fevereiro foi assinado convênio especial de estágio entre o Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Município do Rio de Janeiro e o Superior Tribunal de Justiça (STJ). O estágio não é remunerado e prevê 20 vagas para jornalistas sindicalizados do Rio passarem entre 15 a 30 dias na sede do STJ, em Brasília ampliando conhecimentos sobre o funcionamento do Judiciário. A empresa de Comunicação interessada em investir na qualificação de seus jornalistas deve encaminhar ao Departamento Jurídico do Sindicato – (21) 2544-2100 juridico@jornalistas.org.br – cópia do contrato de trabalho do candidato, com os números do registro profissional e da matrícula sindical.

Jornalistas se posicionam contra preconceito da mídia na cobertura do movimento social
Jornalistas do Rio de Janeiro produziram um abaixo assinado crítico sobre a cobertura da grande mídia conservadora dos movimentos sociais. O documento, apresentado no dia 23 de janeiro, durante o debate com o coordenador do MST, João Pedro Stédile, no Bar Aparelho, organizado pelo Sindicato do Município do Rio, foi distribuído para diversas entidades. Veja, a seguir, seu conteúdo.

Abaixo assina_o em favor da informação responsável

A grande mídia conservadora no Brasil tem divulgado constantemente matérias que criminalizam o movimento social, tratado geralmente como grupo marginal e delinqüente no que diz respeito às justas reivindicações de uma parcela expressiva do povo brasileiro, revelando um posicionamento preconceituoso e intolerante com os segmentos populares.

Nós, jornalistas, queremos alertar a opinião pública e os próprios colegas jornalistas sobre essa manipulação da informação no que diz respeito ao noticiário em torno do movimento social, o que em nada contribui para o avanço democrático no país, muito pelo contrário.

É inadmissível que a mídia conservadora continue a tratar de forma irresponsável entidades como, por exemplo, o MST ou a Via Campesina deturpando totalmente a informação sobre as mobilizações e reivindicações desses importantes movimentos reconhecidos internacionalmente. .

Alertamos os companheiros jornalistas a não se deixarem envolver por essa prática, que, mais uma vez, reiteramos ser prejudicial às relações sociais maduras e livres que se impõem nesses novos tempos.

Artur Cantalice (jornalistra – ABI)

Bruno Zorbitta (estudante de comunicação)

Claudia Abreu (Jornalista – Sindipetro-RJ)

Cláudio Salles ( professor – Curso de Comunicação da UFF)

Ivan O. Dana (estudante de comunicação)

Jesus Antunes (jornalista – ABI)

José Vilhena (jornalista – Aepet)

Maria Luiza Franco (jornalista – TV E)

Mário Augusto Jakobskind (jornalista – SISEJUFE-RJ e ABI)

Nilo Braga (jornalista -ABI)

Paulo Rolo Rodrigues (jornalista)

Rodrigo Otavio (jornalista – Tribuna da Imprensa)

Tamar de Castro (jornalista)

Zilda Ferreira (jornalista – ABI)

Comissão aprova fundo para rádios comunitárias e nova composição para o CCS

No dia 7 de janeiro, a Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática da Câmara dos Deputados aprovou o Projeto de Lei 6348/02, do deputado Walter Pinheiro (PT-BA), que destina 2% dos recursos do Fundo de Fiscalização das Telecomunicações (Fistel) para financiamento de emissoras de rádio comunitárias, educativas e de emissoras de televisão educativas. A proposta prevê a constituição de um novo fundo que será destinado à aquisição de equipamentos, programas de bolsas para formação de profissionais, projetos de divulgação de emissoras comunitárias, apoio à atuação dos conselhos comunitários e produção de programas de caráter educativo-cultural e a projetos semelhantes. A Comissão também aprovou projeto que muda a composição do Conselho de Comunicação Social, que passaria a contar com representantes das emissoras de radiodifusão educativa, de radiodifusão comunitária e das entidades usuárias dos canais comunitários constantes na Lei 8977/95 – a Lei do Cabo.

Adísia Sá, uma biografia
Em novembro de 2005, foi lançado em Fortaleza o livro-reportagem “Adísia Sá – uma biografia”. A obra, de autoria da jornalista Luiza Helena Amorim, recupera a trajetória de uma profissional exemplar, que se constituí num dos ícones da profissão no Brasil, e homenageia seus cinqüenta anos de atuação. Os interessados em adquirir exemplares da publicação podem solicitá-l_ através do sitehttp://www.omnieditora.com.br/