Editora Três volta a atacar os jornalistas

763

Revista IstoÉ continua atrasando salários e inicia processo abusivo de demissão de diretor sindical por justa causa

No mesmo momento em que mantém atrasos de salários para boa parte de seus trabalhadores, a Editora Três promove um ataque ao Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo (SJSP), iniciando um processo discriminatório e abusivo de demissão por justa causa contra o diretor da entidade Alan Rodrigues. “É uma atitude antissindical, que merece o mais amplo repúdio do movimento sindical e democrático”, afirma Paulo Zocchi, presidente do Sindicato e diretor da FENAJ.

Por isso, o SJSP convoca os jornalistas da Editora Três para uma assembleia com os profissionais nesta terça-feira (17), às 14h30, na porta da empresa, na zona oeste da capital.

Nos últimos tempos, a revista IstoÉ – leia-se Editora Três, que publica também as revistas Istoé Dinheiro, Rural, Motor Show, Planeta e Menu – tem se notabilizado pelas irregularidades trabalhistas contra seus profissionais. Os motivos dessa publicidade negativa são vários: sonegação de vínculo trabalhista na forma de contratos fraudulentos de PJs, recorrentes atrasos nos pagamentos dos salários, ausência de controle de jornada, calote no 13º dos jornalistas pejotizados e falta de depósito do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço dos poucos jornalistas  contratados, além de não quitar os saldos de rescisões dos demitidos nos prazos legais.

Longe de se propor a resolver suas faltas, a IstoÉ resolveu agora atentar contra a organização sindical, forma prática de defesa dos trabalhadores. A empresa afastou, na manhã desta segunda-feira (16), o jornalista Alan Rodrigues, diretor sindical, de suas funções, iniciando um processo intimidatório de demissão por justa causa.

A suspensão, segundo a empresa, “se dá em razão de testemunho prestado pelo jornalista perante à Justiça do Trabalho” em um processo em que um repórter-fotográfico, ex-funcionário PJ da editora, reclama seu vínculo trabalhista, que foi sonegado.

“Isso é gravíssimo. Tentam banir o sindicato da empresa, em vez de corrigir as inúmeras irregularidades”, critica Zocchi. “Não aceitamos essa intimidação aos jornalistas. Vamos discutir com o conjunto da categoria, a começar pelos jornalistas da empresa, as medidas a tomar”, garante o presidente do SJSP.

Trabalhador contratado da editora há 23 anos, o jornalista Alan Rodrigues é um dos profissionais mais experientes e premiados de IstoÉ – finalista do último Prêmio Esso, com a série de reportagens “Trensalão Tucano, o escândalo de corrupção do metrô de São Paulo”.

O jornalista, que deixou a editoria de política no final de 2015, e foi promovido ao cargo de editor on-line da Revista 2016 – publicação voltada para os Jogos Olímpicos – acredita que a medida tomada pela Editora Três é uma perseguição política, já que ele tem ajudado a mobilizar, fiscalizar e denunciar as irregularidades dentro da empresa.

“Vamos lutar para reverter essa decisão absurda”, afirma Rodrigues. “É lamentável, depois de mais de duas décadas de serviços prestados à empresa, ser afastado dessa forma”, declara. “Não vamos nos entregar. Vai ter muita luta”.

Escrito por: Redação SJSP – Sindicato dos Jornalistas de São Paulo