FENAJ e SJSP repudiam a prisão de repórter-fotográfico em manifestação

108

Fotógrafo foi detido no ato contra o aumento das passagens em São Paulo

Foto: Rodrigo Zaim

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo (SJSP) e a Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) repudiam a prisão do repórter-fotográfico Rodrigo Zaim Pereira na manifestação contra o aumento da tarifa de ônibus e trens em São Paulo, ocorrida nesta terça-feira (7). O ato terminou na estação de metrô Trianon-Masp com cerca de 30 pessoas presas ilegalmente para averiguação.

A prisão do profissional, que cobria a manifestação e identificou-se como jornalista, é um ato que atenta contra a liberdade de imprensa e a democracia.

“Infelizmente, o que vemos mais uma vez é a truculência da Polícia Militar no trato dos movimentos sociais e com a imprensa. Nossas entidades lutam permanentemente para coibir a violência e garantir o exercício profissional”, declarou o presidente do Sindicato dos Jornalistas de São Paulo e vice-presidente da Fenaj, Paulo Zocchi.

O Sindicato entrou em contato com o profissional manifestando seu apoio e se colocando à disposição para qualquer demanda que o jornalista possa ter em virtude da abordagem realizada pelos agentes do Estado.

De acordo com Pereira, o ato já estava disperso quando a chuva começou e fez com que os manifestantes se abrigassem na estação de metrô. Com o aumento da chuva e o acúmulo de manifestantes, a polícia entrou na estação fazendo formação de escudo e avançando em direção à catraca para impedir que os manifestantes chegassem à plataforma.

A ação policial provocou tumulto e, com isso, o Batalhão de Ações Especiais da Polícia (Baep) entrou por outra porta da estação e pediu aos manifestantes para se sentarem. Por estar junto aos manifestantes, o fotojornalista cumpriu a ordem e, após verificação dos policiais, foi levado para a delegacia juntamente com os demais manifestantes. A prisão de manifestantes é ilegal. De acordo com o Código de Processo Penal (CPP), ninguém poderá ser preso senão em flagrante delito ou por ordem escrita e fundamentada da autoridade judiciária competente em decorrência de sentença condenatória transitada em julgado.

Na delegacia, Pereira foi liberado sem assinar nenhum documento. Ele foi fichado junto aos demais presos dentro ônibus que os levou até a delegacia.

O SJSP e a Fenaj orientam aos jornalistas que, em caso de violência, registrem Boletim de Ocorrência em uma delegacia da Polícia Civil próxima ao local da agressão. O registro é fundamental para possibilitar a responsabilização dos autores, documentar a agressão contra o trabalho da imprensa e dar mais elementos para cobrar dos órgãos competentes a garantia do direito ao trabalho dos profissionais de imprensa.

Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo
Federação Nacional dos Jornalistas