Frentes convocam Dia Nacional contra o golpe

393

fora_temer_interna_2Com o lema “Não ao Golpe, Fora Temer e Em Defesa dos direitos sociais”, a Frente Brasil Popular e a Frente Povo Sem Medo convocam, para 10 de junho, o Dia Nacional de Mobilização em defesa dos direitos sociais pela retirada do presidente interino Michel Temer. A mobilização ocorre após a queda de 2 ministros em menos de 20 dias do governo interino e após virem à tona conversas gravadas pelo ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado, que comprometem vários políticos e apontam que o processo de impeachment da presidente Dilma Roussef foi uma articulação para abafar a Operação Lava Jato.

“Com menos de um mês da aplicação do golpe, a conta já chegou aos trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. O presidente ilegítimo e golpista, Michel Temer, não esconde o que estava por trás do afastamento ilegal da presidenta Dilma Rousseff: Reforma da previdência, com arrocho nos direitos dos trabalhadores, desvinculação do orçamento da educação e saúde, suspensão de programas sociais como Minha Casa, Minha Vida, FIES, PROUNI e PRONATEC, criminalização e perseguição dos movimentos sociais.”, diz a convocatória do evento.

O ato acontecerá simultaneamente em diversas cidades do País. A agenda de atividades vem crescendo progressivamente, a partir de ações que estão programadas para os próximos dias em diversos estados, organizadas espontaneamente em sua maioria por movimentos culturais, grupos LGBT, movimentos de mulheres, organizações sindicais e em universidades. A expectativa é de que a maior concentração ocorra em São Paulo, às 17 horas do dia 10 de junho, quando haverá concentração em frente ao MASP, na Avenida paulista.

Conversas gravadas comprometem membros do governo interino e parlamentares
Juntamente com a queda do ex-ministro do Planejamento e senador Romero Jucá (PMDB/RR) – que em gravação revelada pela imprensa defendeu o impeachment da presidente Dilma para “estancar a sangria” da Operação Lava Jato – a saída de Fabiano Silveira do Ministério da Transparência, Fiscalização e Controle, no dia 30 de maio, preocupa aliados do governo interino, que pressionam Temer a fazer uma “faxina geral” para tentar evitar que os escândalos agravem a crise política e interfiram no processo de impeachment que tramita no Senado, já que o próprio presidente da Casa, Renan Calheiros (PMDB/AL) foi citado nas gravações com pessoas investigadas na Lava Jato.

As conversas entre Sérgio Machado e membros da cúpula do PMDB começaram a vir à tona quando o jornal Folha de S. Paulo publicou trechos de áudios em poder da Procuradoria-Geral da República (PGR). O executivo teria gravado as conversas para negociar uma delação premiada, pois temia ser preso na Lava Jato.

Segundo o jornal Folha de São Paulo, a queda de Silveira foi mais uma derrota para o governo e aliados do Planalto lembram que “há outros ministros sabidamente já citados nas investigações”. O temor de aliados é de que outras gravações possam ser reveladas, comprometendo ainda mais o próprio nome do presidente interino.

Também segundo diversos veículos de imprensa, a delação premiada de Expedito Machado (filho do ex-presidente da Transpetro), já homologada pelo Supremo Tribunal Federal e ainda não revelada publicamente, e o pré-acordo de delação premiada assinado no dia 25 de maio entre a Odebrecht e o Ministério Público Federal podem agravar ainda mais o cenário político nacional, comprometendo políticos de diversos partidos.

“Os últimos acontecimentos confirmam a posição da FENAJ de que impeachment sem crime é farsa para esconder um golpe”, diz o presidente da FENAJ, Celso Schröder. Segundo ele, as articulações políticas que culminaram em um governo interino, estão cada vez mais insustentáveis.