NOTA DE REPÚDIO

114

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de Goiás (SindJor Goiás) e a Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ) vêm, publicamente, repudiar a censura aos jornalistas Yago Sales dos Santos, Gabriella Braga, Leonardo Lucas Ferreira Elboni, do site Atilados, e Ravena Carvalho Machado e Messias Nogueira, da Rádio Sucesso FM, imposta pelo juiz Willian Costa Mello.

Ele concedeu decisão provisória (tutela de urgência antecipatória) a ação movida pela advogada Maria Luiza Póvoa Cruz, que pediu a retirada do ar de reportagem “As ligações da ex-juiza e advogada Maria Luiza Póvoa Cruz” e o impedimento de divulgação de qualquer informação relacionada a ela, sob pena de multa diária.

A reportagem faz parte de uma série intitulada “Defesa Ardil”, que revela relações da advogada, que é juíza aposentada, com supostos golpes dados em proprietários de imóveis que teriam sofrido perdas milionárias.

Uma primeira tentativa de censura foi rechaçada pelo juiz plantonista Ronnie Paes Sandre. A ex-juíza voltou à carga e com o juiz Willian Costa Mello conseguiu a censura.

O SindJor Goiás e a FENAJ lembram que a censura judicial é um atentado à liberdade de informação jornalística, garantida pela Constituição Federal. Também alertam para o perigo da utilização da Justiça para intimidações a jornalistas.

O ato de censura deverá ser questionado em outras instâncias judiciais e, se necessário, no Supremo Tribunal Federal, que tem a missão de guardar os preceitos constitucionais.

O SindJor Goiás e a FENAJ colocam-se ao lado dos profissionais e conclamam a sociedade goiana a também se postarem contra a arbitrariedade e qualquer tentativa de cerceamento ao legítimo direito à informação.

Goiânia, 21 de dezembro de 2020.

Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de Goiás.

Federação Nacional dos Jornalistas.