NOTA DE REPÚDIO: Por que um dos maiores jornais do país quer argumentos a favor do PL do Estupro?

46

Chegou ao conhecimento da Comissão de Mulheres da Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ) na quinta-feira (4/07) que, em processo seletivo para seu Treinamento em Jornalismo de Saúde, o jornal Folha de S.Paulo apresentou a seguinte questão discursiva aos candidatos e candidatas: “Imagine que você seja a favor do PL Antiaborto por Estupro. Escreva um texto opinativo defendendo a sua posição. Coloque um título. Tamanho: até 2.500 caracteres, contando espaços.”

Assim como a jornalista que tornou pública a questão, esta Comissão mostra-se indignada que um dos maiores jornais do país trate como questão de opinião um projeto de lei claramente misógino, que regride em direitos adquiridos pelas brasileiras desde 1940 e coloca em risco a vida de meninas e mulheres, revitimizando-as em casos de estupro.

Afinal, por que o referido jornal quer coletar argumentos a favor do PL do Estupro, ou da Gravidez Infantil, como vem sendo chamado, corretamente, pelos movimentos sociais contrários ao texto?

Em uma sociedade patriarcal e machista, afetada pela desinformação, o jornalismo precisa compreender sua responsabilidade em afetar posicionamentos e vidas. Tratar como “opinião” um tema de saúde pública não contribui para um debate saudável, pautado no respeito às mulheres e avanço nos direitos.

Deixamos aqui nosso repúdio à questão como foi posta e pedimos seriedade no trato dos direitos sexuais e reprodutivos das mulheres.

Brasília, 9 de julho de 2024.

Comissão de Mulheres da FENAJ