Patrões querem alterar 35 cláusulas históricas da Convenção Coletiva de Rádio e Televisão

311
Fotos: Evilázio Bezerra

A comissão de negociação do Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado do Ceará (Sindjorce) e representantes do Sindicato das Emissoras de Rádio e Televisão do Estado do Ceará (Sindatel) estiveram reunidos no dia 16 de janeiro, com mediação do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), para tratar da Campanha Salarial de Rádio e TV 2019. A Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) de 2018 tem 57 cláusulas, e destas, 35 o patronal pretende discutir.

A exemplo da negociação do segmento de impresso, que ainda está se arrastando em mesa, os donos dos veículos de radiodifusão do Estado pretendem retirar direitos históricos dos trabalhadores da informação no Ceará. No encontro, que aconteceu na Superintendência Regional do Trabalho e Emprego (STRE/CE), os patrões apresentaram 22 cláusulas com a redação original do ano anterior, e garantem a data base de janeiro, mas com os retroativos das cláusulas que tratam do piso e demais salários.

As propostas de mudanças ainda não foram apresentadas. Na avaliação da comissão do Sindjorce, as empresas devem querer repetir o que está na pauta de mídia impressa, ou seja, o fim de cláusulas que alegam ter impacto financeiro, como a do auxílio creche integral, gratificação de chefia, da gratificação da área policial, do adicional de hora-extra, da reportagem especial, da diária de viagem, das fotos e ilustração negociadas, entre outras.

A próxima mediação está marcada para o dia 6 de fevereiro, também na STRE. Na oportunidade, os jornalistas serão informados das alterações nas 35 cláusulas que serão propostas pela bancada patronal, já que não houve tempo hábil para a discussão das mesmas.

Neto Medeiros, negociador patronal, que assessora os dois sindicatos das empresas do ramo da Comunicação, apresentou apenas as cláusulas que permanecem. No encontro, ficaram claras suas intenções, porque ele baseia o seu discurso nos mesmos argumentos do declínio na arrecadação dos veículos, com o advento da internet, para cavar a retirada de cláusulas nunca questionadas.

Samira de Castro

Presidente do Sindjorce