Relatório mostra apenas um ligeiro progresso na visibilidade das mulheres nas notícias

13

Bruxelas, 14 de julho de 2021 – A sexta edição do Global Media Monitoring Project (GMMP), lançada hoje, mostra que apenas um progresso limitado foi feito na presença de mulheres nas notícias em todo o mundo. As mulheres agora representam 25% das pessoas lidas, vistas ou ouvidas no conteúdo das notícias. Em resposta, a Federação Internacional de Jornalistas (FIJ) pediu à mídia e aos jornalistas que mudem a história da representação das mulheres nas notícias, reflitam adequadamente seu papel efetivo na sociedade e contribuam para o debate democrático.

A cada cinco anos, o GMMP analisa o lugar das mulheres no conteúdo das notícias. De acordo com seu último relatório, publicado em 14 de julho, as mulheres representam apenas 25% das pessoas retratadas nas notícias, um pequeno aumento de 1% desde o relatório de monitoramento de 2015. O relatório de 2020 mostrou uma diminuição da presença de mulheres em histórias de saúde, histórias muito limitadas sobre violência de gênero e um aumento positivo de mulheres especialistas e porta-vozes, bem como repórteres.

O relatório monitorou notícias publicadas em jornais, transmissões e disseminadas em sites jornalísticos e através de tweets da mídia de notícias em 166 países em um dia específico. Dado o contexto pandêmico extraordinário, 25% das histórias monitoradas carregavam um subtítulo ou tema principal do coronavírus.

A proporção de mulheres como sujeitos e fontes em matérias jornalísticas em meios digitais também aumentou um ponto percentual no geral de 2015 a 2020, com uma melhoria de três pontos nos sites de notícias e um declínio de três pontos nos tweets da mídia de notícias.

Embora a esmagadora maioria das notícias de ciência/saúde monitoradas pelas equipes do GMMP estivessem relacionadas à Covid-19, o relatório notou uma queda na voz e na visibilidade das mulheres nessas histórias. Embora a participação de notícias de histórias de ciência/saúde tenha sido significativamente maior em 2020, em comparação com períodos anteriores (de 10% em 2005 para 17% atualmente), a presença das mulheres neste tópico diminuiu cinco pontos após um aumento constante entre 2000 e 2015. Por exemplo, as mulheres representavam 27% dos especialistas em saúde que apareciam nas histórias de coronavírus, muito menos do que a média mundial de 46% dada nas estatísticas da força de trabalho.

Matérias sobre violência de gênero dificilmente chegaram às manchetes, de acordo com o relatório. Quando o fazem, mulheres e meninas são criticamente sub-representadas como sujeitos e fontes. O relatório aponta para um aumento da violência de gênero durante a pandemia, que tem sido mal retratada nas notícias, sinalizando “um sério déficit na prestação de contas da mídia às mulheres”.

O relatório também destaca a ausência de mulheres mais velhas nas notícias, com apenas 3% das mulheres entre 65 e 79 anos retratadas, em comparação com 15% dos homens.

De forma positiva, o GMMP aponta o aumento da voz das mulheres como porta-vozes e como especialistas (24% ante 19% em 2015).

A visibilidade das mulheres como repórteres aumentou 3% em comparação com 2015 nas notícias impressas e transmitidas. Quatro em cada dez histórias são agora relatadas por mulheres, de acordo com o GMMP.

Sarah Macharia, coordenadora global do GMMP, disse: Está claro, a partir dos 25 anos de monitoramento da mídia, que a mudança é extremamente lenta. A mudança incremental é importante, por menor que seja, tanto quanto os grandes saltos à frente. Com as descobertas até agora, desde 1995, podemos acabar com a expectativa de grandes avanços, de modo que cada mudança estatisticamente significativa na direção certa precisa ser observada”.

Como forte defensora do jornalismo ético, a FIJ tem uma longa tradição na luta contra a discriminação de todos os tipos e na promoção de retratos de gênero justos nas notícias. Sua Carta Global de Ética para Jornalistas afirma que “os jornalistas devem garantir que a divulgação de informações ou opiniões não contribua para o ódio ou preconceito e devem fazer o possível para evitar a propagação da discriminação por motivos como origem geográfica, social ou étnica, raça, gênero, orientação sexual, idioma, religião, deficiência, opiniões políticas e outras”.

Maria Angeles Samperio, presidente do Conselho de Gênero da FIJ disse: “Embora haja um ligeiro progresso nos resultados do GMMP de 2020, a mídia deve fazer muito mais para promover uma representação justa de gênero nas notícias. Listas de mulheres especialistas, diretrizes sobre como adotar uma abordagem intersetorial na redação, monitoramento de conteúdo e a criação de um ambiente de trabalho inclusivo são algumas das muitas soluções que podem ajudar a mudar a mentalidade da mídia em relação à igualdade de gênero. Os sindicatos têm um papel a desempenhar para garantir que a mídia apoie totalmente as questões de igualdade de gênero, tanto no conteúdo das notícias, mas também nos seus acordos coletivos e políticas internas”.

O secretário-geral da FIJ, Anthony Bellanger, disse: “Estamos particularmente preocupados que o espaço de notícias profissionais nas redes sociais esteja tendendo a uma maior exclusão das mulheres como sujeitos e fontes, com um declínio de 3% de sua presença nos tweets da mídia de notícias. Com o aumento do cyberbullying de mulheres jornalistas, este é mais um golpe para a presença das mulheres nas redes sociais. Instamos os órgãos de comunicação a refletirem sobre o lugar das mulheres nas redes sociais e tomarem as medidas adequadas para garantir que continuem fortemente envolvidas no debate democrático nas redes sociais”.