25 de Novembro: FIJ lança campanha pela ratificação da Convenção 190 da OIT sobre violência e assédio no trabalho

9

A violência e o assédio contra as mulheres jornalistas ocorrem em todo o lado: nas redações, em relação às fontes de informação, em casa, a caminho de casa ou na Internet. A violência e o assédio têm consequências devastadoras para o jornalista visado, afetando seu bem-estar, seu trabalho, sua vida privada e, em última análise, a liberdade de imprensa.

Para comemorar 25 de novembro, Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra Mulheres e Meninas, a Federação Internacional dos Jornalistas (FIJ) conclama todos os seus sindicatos a fazerem campanha pela ratificação plena da Convenção 190 da OIT por parte de seus governos.

A Organização Internacional do Trabalho (OIT) aprovou em 10 de junho de 2019 uma nova Convenção – OIT C190 para acabar com a violência e o assédio no mundo do trabalho, bem como uma recomendação, 206.

Precisamos que esta convenção e suas recomendações sejam ratificadas por governos de todo o mundo.

Porque? Porque pode mudar a vida de jornalistas e cidadãos ao proibir o assédio e a violência no mundo do trabalho e tornar os ambientes de trabalho livres de violência.

O jornalismo é uma profissão perigosa. Para cobrir as notícias de última hora, os jornalistas viajam para zonas de guerra, conflito e desastres naturais. Ao reportar sobre corrupção, violações dos direitos humanos e / ou pressão política, os jornalistas costumam sofrer represálias dos setores mais poderosos da sociedade.

Muitas vezes, as jornalistas  são o foco específico dessa violência . De acordo com as estatísticas da FIJ , quase 65% das mulheres que trabalham na mídia foram intimidadas, ameaçadas ou abusadas em conexão com seu trabalho. Esta é uma ameaça à liberdade de expressão e de imprensa.

O abuso pode vir de vários lugares: uma editora de alto nível que usa sua posição para intimidar um jovem jornalista, uma repórter que faz reportagens de fora sendo apalpada ou recebendo comentários sexistas ou sendo agredida fisicamente pelo entrevistado ou pelos telespectadores.

O documento C190 da OIT pode mudar isso . Muda a vida das jornalistas ao proibir a violência no mundo do trabalho e torná-la um problema de saúde e segurança pública ao qual as autoridades e empregadores da mídia devem responder.

Peça ao seu governo que ratifique a convenção e faça uma mudança na sua redação.

Leia depoimentos de membros do Conselho de Gênero da FIJ no CanadáChipre, Peru e Portugal sobre por que a ratificação da Convenção 190 é essencial para mulheres jornalistas.

Clique aqui para ver as 5 coisas que você precisa saber sobre o C190 e tudo que você pode fazer agora para começar a mudar vidas!

NOVO: baixe o kit de ferramentas dos sindicatos globais no C190 : o livro de atividades