Sinjorba e FENAJ se posicionam contra ataques a jornalistas em Feira de Santana

163

Em nota divulgada nesta segunda (28), o Sinjorba e a FENAJ se manifestaram contra os ataques irresponsáveis sofridos por jornalistas de Feira de Santana, desferidos por perfis em redes sociais.

Apesar de se apresentarem como “imprensa”, não há identificação de quem são os jornalistas responsáveis. Uma olhada rápida nas páginas e nos textos mostra enorme distância entre vontade e realidade.

Veja nota das entidades abaixo:

Liberdade de imprensa não exime responsabilidade e ética

O Sindicato dos Jornalistas da Bahia (Sinjorba) e a Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ) vêem com preocupação a escalada da ataques promovida por perfis de redes sociais contra jornalistas que atuam em Feira de Santana. A ação, na forma e conteúdo, vai ao encontro de um modelo que entende ser o jornalismo uma ferramenta de vingança e a comunicação social a extensão irresponsável de manifestações de desejos.

Que fique claro, liberdade de imprensa não exime o ator de agir com responsabilidade e ética. O jornalismo é baseado em arcabouço de princípios construídos ao longo do tempo pelos estudos científicos, experiência cotidiana e acúmulo jurídico, pautando-se no rigor dos artigos do Código de Ética dos Jornalistas, documento que orientamos ser conhecido e consultado sempre por quem se propõe à prática jornalística profissional.

Falamos de jornalismo profissional, com publicação impressa ou eletrônica assinada, assumida, pública e juridicamente reconhecida, com notícias apuradas, dando ao citado o prévio direito de posicionar-se sobre os fatos tratados. O que se faz fora desse imperativo é qualquer outra coisa.

É por isso que defendemos a formação e o registro de jornalista como exigências ao exercício da profissão. São premissas basilares que nos ajudam a introjetar o entendimento do ofício, sem deixar espaço à transformação da prática do Jornalismo em justiçamento ou perseguição. Bem como, impede peremptoriamente o covarde expediente de esconder-se no anonimato para atacar a honra e a dignidade alheias. Se há ilícitos cometidos por A ou B, que sejam protocoladas queixas-crime nos órgãos policiais competentes e representações ao Ministério Público para que sejam apurados à luz da lei.

Reafirmando seu compromisso com a liberdade de imprensa, lembrando que o direito à informação de qualidade é um bem social, o Jornalismo Profissional uma conquista das sociedades democráticas, a Ética um princípio das relações humanas e a responsabilidade uma exigência da cidadania, o Sinjorba e a FENAJ se solidarizam com os jornalistas de Feira de Santana atingidos por ataques despropositados e apócrifos.

Moacy Neves – Presidente do Sinjorba

Samira de Castro – Presidenta da FENAJ