Jornalistas participam da Greve Geral contra as reformas Trabalhista e da Previdência em vários Estados

469

Milhares de pessoas aderiram à Greve Geral de 30 de junho contra as reformas Trabalhista e da Previdência, seja cruzando os braços ou participando das manifestações ocorridas em várias cidades de todo o Brasil. nike dunk 2007 A mobilização, realizada pelas centrais sindicais brasileiras, com apoio dos movimentos sociais, populares e estudantis, reuniu cerca de 40 mil pessoas na Avenida Paulista, em São Paulo-SP; mais de 50 mil nas ruas de Belo Horizonte-MG; outras 50 mil em Fortaleza-CE; 30 mil em Recife-PE; e várias outras manifestações aconteceram em cidades como Arapiraca-AL, Brasília-DF, Viçosa-MG e Campinas-SP. Essa é a segunda Greve Geral, ocorrida neste semestre, contra o desmonte dos direitos trabalhistas.

A Federação Nacional dos Jornalistas – FENAJ mobilizou seus Sindicatos a integrarem a organização dos protestos. E, em diversos Estados brasileiros, a categoria dos jornalistas também participou dos atos contra as reformas do governo Temer. Em Santa Catarina, marcaram presença no ato público, no centro de Florianópolis, posicionando-se contrários às reformas e expondo a realidade de baixos salários e condições de trabalho precarizadas da categoria. Nike Air Max Sko No dia anterior, o Sindicato dos Jornalistas de Santa Catarina realizou rodada de visitas nas redações de Florianópolis, além de informes sobre a Negociação Coletiva 2017. No Paraná, jornalistas participaram da Greve Geral, em Curitiba, ao meio dia, na Boca Maldita. No interior do Estado, os profissionais acompanharam as ações locais nas cidades que ocorreu a Greve.

No Rio de Janeiro, a diretoria do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Município do Rio de Janeiro – SJPMRJ realizou ato público, ao meio dia, no centro da Capital, convocando a população a participar do ato, às 16h, contra as reformas Trabalhista e da Previdência. Na oportunidade, os diretores do SJPMRJ explicaram aos trabalhadores sobre a importância do engajamento como forma de barrar esses retrocessos que estão tramitando no Congresso Nacional. Já o Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado do Rio de Janeiro – SJPERJ participou da manifestação na Avenida Amaral Peixoto, no centro de Niterói-RJ. Enquanto no município de Dourados-MS, membros da diretoria do Sindicato dos Jornalistas – Sinjorgran participaram das atividades de rua, que reuniram centenas de pessoas na Praça Antônio João e contou com passeata pelo centro da cidade. New Balance 247 damskie Estavam presentes a presidenta Karine Segatto, vice-presidenta Ariadne Bianchi e suplente de delegado junto a FENAJ, Flávio Verão. O Sinjorgran também contribuiu com a produção de material de divulgação da Greve Geral, naquele município. Nas redações e assessorias de imprensa, quem não pode paralisar foi vestido de preto, em protesto às reformas.

No Ceará, jornalistas marcaram presença no ato da Greve Geral, que aconteceu no período da manhã, com concentração na Praça da Bandeira, em Fortaleza, percorrendo o centro da Capital cearense. Air Huarache Participaram os diretores da Federação Nacional dos Jornalistas – FENAJ, Samira de Castro (2ª Tesoureira), Rafael Mesquita (Departamento de Educação) e Evilázio Bezerra (Departamento de Imagem). Já o Sindicato dos Jornalistas – Sindjorce atuou na cobertura colaborativa para a Frente Brasil Popular, tanto no Ceará quanto nacionalmente, e realizaram protestos em frente ao Sistema Verdes Mares (na porta do jornal Diário do Nordeste) e Grupo O Povo (na calçada do jornal O Povo). Os trabalhadores das duas redações de impresso aprovaram a manutenção da mobilização na semana seguinte à greve, com novos atos, em função da falta de retorno dos patrões em relação à Campanha Salarial 2016/2017 de Mídia Impressa.

No Rio Grande do Sul, o Sindicato dos Jornalistas – SINDJORS participou do ato público que ocorreu na tarde de sexta-feira, em Porto Alegre, com caminhada que iniciou ao lado do Mercado Público e deslocou-se para o Palácio Piratini, onde o presidente da entidade, Milton Simas, ao lado de outros sindicalistas, reuniu-se com o chefe da Casa Civil, Fábio Branco. Canotte Minnesota Timberwolves O encontro foi para falar sobre a prisão do professor Altemir Cozer, detido pela Brigada Militar após participar de uma manifestação durante a manhã daquele dia. Tom Brady – Michigan Wolverines Cozer ficou 27 horas preso e foi solto no sábado. Simas aproveitou a reunião com o chefe da Casa Civil para pedir o arquivamento do caso do jornalista Matheus Chaparini, do Jornal Já, preso durante o exercício da profissão, ao cobrir uma manifestação de estudantes.

No Espirito Santo, os jornalistas também participaram do ato de protesto contra as reformas, em Vitória. tn requin noir et bleu Outros profissionais da imprensa que estavam cobrindo o evento sofreram agressões por parte de manifestantes. O Sindicato dos Jornalistas – Sindijornalistas e a FENAJ repudiam a violência contra profissionais da TV Record e da RecordNews, que estavam exercendo seus trabalhos. New Balance 993 mujer O Sindicato considera que não se pode mais aceitar que manifestantes confundam o empresário da comunicação com os trabalhadores da comunicação, e afirmou serão tomadas as medidas jurídicas cabíveis contra os agressores.

Dirigentes do Sindicato dos Jornalistas do Estado do Pará – Sinjor-PA participaram da manifestação de rua junto a outros sindicatos, centrais sindicais e movimentos sociais durante a Greve Geral, em Belém. A Greve levou milhares de pessoas às ruas. Scarpe Nike Store A presidente do Sinjor-PA, Roberta Vilanova, foi à manifestação acompanhada da presidente recém-eleita, Sheila Faro, do tesoureiro do Sindicato, Dilson Pimentel, da dirigente da Federação Nacional dos Jornalistas – FENAJ, Enize Vidigal, e do jornalista Igor Augusto.

  • ULTRA BOOST
  • “Temos que lutar até o fim contra essas reformas que vão tirar direitos dos trabalhadores. O próximo passo é pressionar os senadores paraenses para que votem contra a Reforma Trabalhista no plenário”, disse Roberta Vilanova.